Informação para um mundo melhor! Idéias para o desenvolvimento sustentável!
Random header image... Refresh for more!

Hidrelétrica de Belo Monte: Impactos Ambientais

O texto abaixo discute os possíveis impactos ambientais da construção da Hidrelétrica de Belo Monte (terceira maior hidrelétrica do mundo) no Pará.

Vale a pena ler e se inteirar da questão sobre todos os seus aspectos, que são muito bem esclarecidos pelos autores. A informação de qualidade é essencial para a tomada de decisões seguras.

Será que o Brasil precisa de Belo Monte?

CI-Brasil (Ong Conservation International – Brazil) divulga posicionamento sobre hidrelétrica; a ONG trabalha com índios Kayapó há mais de 18 anos.

Contexto: O projeto ressurge como uma obra estratégica, apresentada por meio de um Estudo de Impacto Ambiental (EIA) de mais de 20 mil páginas, como a possível terceira maior hidrelétrica do mundo, perdendo apenas para a usina Três Gargantas (China) e para Itaipu (Brasil-Paraguai).
A hidrelétrica de Belo Monte propõe o barramento do rio Xingu com a construção de dois canais que desviarão o leito original do rio, com escavações da ordem de grandeza comparáveis ao canal do Panamá (200 milhões m3) e área de alagamento de 516 km2, o equivalente a um terço da cidade de São Paulo.

Questão energética: A UHE de Belo Monte vai operar muito aquém dos 11.223 MW aclamados pelos dados oficiais, devendo gerar em média apenas 4.428 MW, devido ao longo período de estiagem do rio Xingu, segundo Francisco Hernandes, engenheiro elétrico e um dos coordenadores do Painel dos Especialistas, que examina a viabilidade da usina.   Em adição, devido à ineficiência energética, Belo Monte não pode estar dissociada da ideia de futuros barramentos no Xingu. Belo Monte produzirá energia a quase 5.000 km distantes dos centros consumidores, com consideráveis perdas decorrentes na transmissão da energia.

Esse modelo ultrapassado de gestão e distribuição de energia a longas distâncias indica que o governo federal deveria planejar sua matriz energética de forma mais diversificada, melhor distribuindo os impactos e as oportunidades socioeconômicas (ex.: pequenas usinas hidrelétricas, energia de biomassa, eólica e solar) ao invés de sempre optar por grandes obras hidrelétricas que afetam profundamente determinados territórios ambientais e culturais, sendo que as populações locais, além de não incluídas nos projetos de desenvolvimento que se seguem, perdem as referências de sobrevivência.

Questão ambiental: A região pleiteada pela obra apresenta incrível biodiversidade de fauna e flora. No caso dos animais, o EIA aponta para 174 espécies de peixes, 387 espécies de répteis, 440 espécies de aves e 259 espécies de mamíferos, algumas espécies endêmicas (aquelas que só ocorrem na região), e outras ameaçadas de extinção. O grupo de ictiólogos do Painel dos Especialistas tem alertado para o caráter irreversível dos impactos sobre a fauna aquática (peixes e quelônios) no trecho de vazão reduzida (TVR) do rio Xingu, que afeta mais de 100 km de rio, demonstrando a inviabilidade do empreendimento do ponto de vista ambiental. Segundo os pesquisadores, a bacia do Xingu apresenta significante riqueza de biodiversidade de peixes, com cerca de quatro vezes o total de espécies encontradas em toda a Europa. Essa biodiversidade é devida inclusive às barreiras geográficas das corredeiras e pedrais da Volta Grande do Xingu, no município de Altamira (PA), que isolam em duas regiões o ambiente aquático da bacia. O sistema de eclusa poderia romper esse isolamento, causando a perda irreversível de centenas de espécies.

Outro ponto conflituoso é que o EIA apresenta modelagens do processo de desmatamento passado, não projetando cenários futuros, com e sem barramento, inclusive desconsiderando os fluxos migratórios, que estão previstos nos componentes econômicos do projeto, como sendo da ordem de cerca de cem mil pessoas, entre empregos diretos e indiretos.

Questão cultural e impactos da obra sobre as populações indígenas: O projeto tem desconsiderado o fato de o rio Xingu (PA) ser o ‘mais indígena’ dos rios brasileiros, com uma população de 13 mil índios e 24 grupos étnicos vivendo ao longo de sua bacia. O barramento do Xingu representa a condenação dos seus povos e das culturas milenares que lá sempre residiram.

O projeto, aprovado para licitação, embora afirme que as principais obras ficarão fora dos limites das Terras Indígenas, desconsidera e/ou subestima os reais impactos ambientais, sociais, econômicos e culturais do empreendimento. Além disso, é esperado que a obra intensifique o desmatamento e incite a ocupação desordenada do território, incentivada pela chegada de migrantes em toda a bacia e que, de alguma forma, trarão impactos sobre as populações indígenas.

Como já exposto, o Trecho de Vazão Reduzida afetará mais de 100 km de rio e isso acarretará em drástica redução da oferta de água.  Os impactos causados na Volta Grande do Xingu, que banha diversas comunidades ribeirinhas e duas Terras Indígenas – Juruna do Paquiçamba e Arara da Volta Grande, ambas no Pará -, serão diretamente afetadas pela obra, além de grupos Juruna, Arara, Xypaia, Kuruaya e Kayapó, que tradicionalmente habitam as margens desse trecho de rio. Duas Terras Indígenas, Parakanã e Arara, não foram sequer demarcadas pela Funai. A presença de índios isolados na região, povos ainda não contatados, foram timidamente mencionados no parecer técnico da Funai, como um apêndice.

A noção de afetação pelas usinas hidrelétricas considera apenas áreas inundadas como “diretamente afetadas” e, por conseguinte, passíveis de compensação.   Todas as principais obras ficarão no limite das Terras Indígenas que, embora sejam consideradas como “indiretamente afetadas”, ficarão igualmente sujeitas aos impactos físicos, sociais e culturais devido à proximidade do canteiro de obras, afluxo populacional, dentre outros. O EIA desconsidera ou subestima os riscos de insegurança alimentar (escassez de pescado), insegurança hídrica (diminuição da qualidade da água com prováveis problemas para o deslocamento de barcos e canoas), saúde pública (aumento na incidência de diversas epidemias, como malária, leishmaniose e outras) e a intensificação do desmatamento, com a chegada de novos migrantes, que afetarão toda a bacia.

Polêmicas: O processo de licenciamento da UHE Belo Monte tem sido cercado por polêmicas, incluindo ausência de estudos adequados para avaliar a viabilidade ambiental da obra, seu elevado custo, a incerteza dos reais impactos sobre a biodiversidade e as populações locais, a ociosidade da usina durante o período de estiagem do Xingu, e a falta de informação e de participação efetiva das populações afetadas nas audiências públicas.

No final de dezembro de 2009, os técnicos do Ibama emitiram parecer contrário à construção da usina (Parecer 114/09, não publicado no site oficial), onde afirmam que o EIA não conseguiu ser conclusivo sobre os impactos da obra: “o estudo sobre o hidrograma de consenso não apresenta informações que concluam acerca da manutenção da biodiversidade, a navegabilidade que garante a segurança alimentar e hídrica das populações do trecho de vazão reduzida (TVR) e os impactos decorrentes dos fluxos migratórios populacionais, que não foram dimensionados a contento”. A incerteza sobre o nível de estresse causado pela alternância de vazões não permite inferir com segurança sobre a manutenção dos estoques de pescado e das populações humanas que desses dependem, a médio e longo prazos. Ainda segundo o parecer técnico, para “a vazão de cheia de 4.000m3/s, a reprodução de alguns grupos de peixes é apresentada no estudo como inviável”, ou seja, o grau de incerteza denota um prognóstico extremamente frágil.

No início deste ano (01/02/10), o governo federal anunciou a liberação da licença prévia para a construção da UHE Belo Monte sob 40 condicionantes, nem todas esclarecidas. A licença foi liberada num tempo recorde e o leilão, que deveria acontecer em abril, foi adiantado para o início de março deste ano. Como a única voz dissonante, o ministro do Meio Ambiente enfatizou a concessão de R$1,5 bilhão como medidas mitigatórias ao projeto, um valor relativamente pequeno em relação ao custo estimado da obra (R$30 bilhões) e incerto para os impactos que ainda se desconhece.
Vale lembrar que uma bacia e seus povos repletos de história e diversidade social, ambiental e cultural nunca terão preço capaz de compensar tamanha riqueza.

Fonte: Resumido de Envolverde/SOS Mata Atlântica
© Copyleft – É livre a reprodução exclusivamente para fins não comerciais, desde que o autor e a fonte sejam citados e esta nota seja incluída.

119 comentários

1 francisco darivaldo de freitas { 02.28.10 at 19:26 }

é extranho o ibama autorizar uma obra desse porte,eu e os moradores dessa regiao sabemos que quando um morador derruba uma arvore,pesca no periodo da piracema,retira a areia do rio através de maquinas, ele é imediatamente intimado por esse orgão hipocrita,tem os seus pertences confiscado tipo rede,de pesca,moto-serras e até embarcações,se o ibama tem essaa função de fiscalizar e proteger a fauna e flora do nosso pais,porque autoriza a construção de belo monte,não é preciso fazer estudo de impacto ambiental pra saber que altamira e localidades circunvizinhas serão afetadas e que terão suas linda s praias inundadas.

2 sandra miranda { 03.05.10 at 9:37 }

achei muito boa a informação detalhada acerca da hidreletrica de belo monte pa.

3 Felipe Alves Peixoto { 04.21.10 at 0:54 }

Otimo texto parabens!!!
o que mais me surpreende é a falta de debate e de espaço na mídia que este assunto tao importante tem. Nada disso é falado em nenhum canal de televisao.

4 vila do conde PA { 04.23.10 at 1:05 }

O povo do Pará é contra esse regresso da natureza…..veja en nosso syte exemplo de grandes projetos, sempre o povo e o meio ambiente perde,quem leva o trofeu são os gatunos politicos…

5 Hermanasnn { 04.25.10 at 5:33 }

Este projeto é Absurdo!!! Como uma Hidreletrica deste porte envolvendo Cultura indígena e espécies endemicas tem o licenciamento sem o questionamento nacional?;Aonde esta a mídia nestas horas? Será que estamos em regime de censura?
Deveriamos ter auditorias públicas em todo o país….
O que podemos fazer? agora é tarde?O povo tem que se unir e dizer não para estes tipos de maracutaias….

6 EDIMAR { 04.28.10 at 11:46 }

EU sou habitante de Altamira desde que nasci, e agredito que obras deste porte impactam, com certeza o ecossistema e a biota envolvida será afetada a ponto de alguns nichos serem extintos sem se falar nas comunidades que precisam dio rio. Isto é um fato que não devemos descartar, porém, no que tange a megaprojetos pra região norte sempre vimos que tais empreendimentos visão unicamente o compromisso com manobras eleitoreiras de determinados grupos políticos do Pará. Entretanto e sabido que desde 1960 nossa região vem sendo ignorada por diversos governantes que, há tempos se promovem e se enriquecem as custas dos menos favorecidos e ignorantes deste País, o projeto BELO MONTE é apenas mais um elefante branco que será construído unicamente para que os governantes possam manutenir os financiadores de suas campanhas políticas.
a região da transamazonica BR230 nunca foi vista por nenhum governo seja ele estadual ou federal, o povo vive em pleno abandono á mercê de prefeitos e vereadores corruptos, juízes comprados e delegados mafiosos que sempre se favorecem e enriquecem as custas de seu sofrimento e abandono. Todavia esta gente sofrida pensa que a Hidroelétrica será um milagre que transformara a região, em uma região desenvolvida. Sou a favor da construção do projeto, porque sempre me deparei com esta condição de abandono e nunca nosso povo será ouvido e sempre seremos preteridos por todos deste país. Nada será menos pior para aquela região do que a implementação daquele projeto. Nem mesmo a igreja com todo o seu portifólio conseguiu tirar o povo do abandono em que vive, agora estamos vendo que o governo está interessado em construir a UHE-BM a todo custo, o povo que já é sofrido ganhará um pouco de consciência politica e verá que aqueles que estão na prefeitura, na delegacia e na casa legislativa nunca realmente se importaram com eles, e sempre macomunaram-se para o enriquecimento próprio e de suas famílias e parentes. Este empreendimento governamental irá desvencilhar a idéia paternaista que permeia a mentalidade do povo daquela região, mesmo que para isto custe a destruição do rio xingu…

7 milena { 05.09.10 at 10:43 }

sou contra esse projeto e ñ só pq sou paraense mais simn pelos impactos soioambientais q ocorrerá , vai aver etnocideo e genocideo com os indios sem falar nas diversas espécies q morreram isso é um absurdo!

8 Eliana { 05.13.10 at 15:37 }

eu acho bem legal!!!!!!!

9 Fernando { 05.22.10 at 19:27 }

Blz , Na realidade isso prova o grau de responsabilidade que o governo tem com o meio ambiente … Igual ou Menor que ZERO … O fato é que esse povo quer resolver um problema construindo um bem maior … Acho que realmente a educação e fundamental neste país, prova disse sao este caras que naum sabem nada sobre o que é um Desenvolvimento Sustentável …. Lembrando que a esta obra ferirar diretamente dois grandes patamares deste metodo … Meio Ambiente e Meio Social …

10 GIslaine { 05.30.10 at 12:00 }

:(

11 Peres { 06.10.10 at 20:26 }

Sem partidarismo. Sabemos que é preocupante nossa capacidade de produzir energia compatível com a necesidade da mesma para o cresimento economico brasileiro. Comheci há 07 anos a represa de Furnas. Banha mais de 20 municípios, Foras desalojadas “n” famílias, ocupas muitas terras, etc etc etc. Hoje um paraíso. Gera energia para muitas cidades grandes. Uma importancia economica para o país que transcende a produção de energia: o turismo é um pequeno exemplo. E por aí vai. Será que o sacrificio será em vão?

12 Marcos { 08.31.10 at 21:05 }

Atualmente a energia consumida na região norte do Brasil é obtida a partir da queima de Óleo Diesel, que além de ter um preço exorbitante que é pago por todos nós brasileiros (não apenas os moradores do norte, pois é financiada pelo governo federal) libera o dióxido de carbono responsável pelo aquecimento global.

13 Lucas { 10.07.10 at 19:27 }

Vai haver muitas perdas, tanto para o meio ambiente como para os povos que ali habitam.

14 Nayara { 11.22.10 at 18:21 }

Foi bom ler esses comentarios, to precisando fzr um trabalho sobre construção de uma hidrelétrica!
O problema do ser humano é que ele querer desenvolver, mas esquece que com esse desenvolvimento, ele acaba destruindo, achando que ta desenvolvendo.. temos que preservar a fauna e a flora desse país, tudo bem que construir uma hidrelétrica tem suas vantagens, é uma energia limpa,ja que não envolve nenhum processo de queima de combustível gerada,mas as desvantagens são muitas também, como a biodiversidade destruida, e para a habitação de moradores do local, tudo gera um impacto, é como a lei da física, cada ação gera uma reação! Temos mesmo é que pensar muito aonde instalar uma hidrelétrica, e estudar os malefícios, e benefícios, e ver se realmente vale a pena, e o tamanho dos impactos causados pela construção dessa hidrelétrica… e nao podem deixar de ver as soluções para esses impactos, tanto ambiental, quanto social!

15 Rayane Sabrina { 12.14.10 at 15:20 }

Muito Bom! Esse texto mostra a realidade do virá acontecer com a nossa amazônia, se a mídia se focalizasse nisso, faria com que as pessoas se conscientizasse desse desastre ambiental, mas na verdade se ocultam diante desse problema. Talvez essa construção traga grandes benefícios para o país, mais além disso, envolve pessoas que serão prejudicadas, floresta devastada, etc. Aumentando assim os problemas no mundo.

16 José H.R.Viana { 01.29.11 at 10:54 }

O governo não tem sensibilidade nenhuma, o que todos querem é o percentual de 10%.Ora ,nós temos a maior hidroéletrica do mundo que é a de tucurui e pagamos a maior conta de luz do Pais,quem se beneficia são outras regiões, porque a região norte,para muitos é somente a geradora de energia.

17 Annelice Schleif { 01.31.11 at 1:47 }

Como é possível q queiram contruir essa hidrelétrica? Eles não estão vendo os impactos diversos que ela vai acarretar? Além de ser cara, não traz tantos benefícios assim! Não estão vendo os impactos a emergir? ¬¬’

18 José Fonte de Santa Ana { 02.04.11 at 17:49 }

Governo da contenção de gastos libera Um Bilhão só inicialmente, para destruírem também só inicialmente, centenas de Bilhões de dólares em recursos naturais, para o que foi e é condenável desde a primeira intenção. O Complexo Hidrelétrico Belo Monte.
Após é claro, montanha de cálculos. Mapas tirados dos satélites talvez com precisão de se contar formigas por cm². Centenas e talvez até milhares de plantas de projetos. Milhões de dólares em pré-isso e pré-aquilo. Para que? Para saber o que qualquer índio ali por perto sabe e lhes diria sem cobrar nada. Isto aí nunca vai dar certo. Para o Complexo Hidrelétrico de Belo Monte.
É impressionante a guerra de argumentos que se travou e ainda se trava com seus prós e contras à construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Chega à um desgaste tal que quase nos vence pelo cansaço. Por conta dos tantos pode e não pode, proíbe e permite, juiz veta e supremo libera ou vice-versa. Ministro favor x ministro contra. Especialistas internacionais em clima, finanças, economia, geologia, geografia, topografia, engenharia, metereologia e etc. Avaliam o custo benefício da obra e absolutamente todos que não vão ganhar dinheiro com este empreendimento, o condenam. Diferentemente de outros projetos que mesmo não ganhando algum dinheiro, a maioria aprova o empreendimento.
Avaliaram e condenaram até ganhos e perdas por se ter a imagem e ou nome vinculados à este negócio, que, ninguém conseguiu provar que vale a pena. Pois como haveriam de aprovar a destruição de milhões de hectares cheios de plantas e animais da Floresta Amazônica? Concordariam em destruir uma quantidade incalculável da mais rica biodversidade da Terra e, em alterar este Bioma para sempre? No momento em que todo o planeta estuda uma maneira de pagar para quem tem um tanto qualquer por menor que seja de árvores da Floresta Amazônica, manterem-nas de pé. Tudo para preservar o meio ambiente.
Não existe 1% de dados favoráveis para a construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte. Até a queda natural da água nesta região, ou seja, o declínio do terreno, é desfavorável à um empreendimento como este.
Iria consumir dezenas a centenas de trilhões de dólares até o seu final, para por fim consumir outras dezenas de centenas de trilhões de dólares de recursos naturais que ía literalmente parar debaixo d´água. Impossível estimar sequer o montante deste ivestimento, talvez nunca saibamos o quanto se perdeu nem ao seu final. De recursos financeiros e naturais jamais passíveis de recuperação.
O que este projeto já consumiu de recursos, paciência, mas podemos evitar perder grande parte do Um Bilhão já liberado pelo nosso governo e ainda não perder mais aonde só se é possível isto. Perguntem a qualquer Índio na região, o que ele acha desta gigantesca ambição do homem branco. E o índio com certeza vai lhes responder com a sua natural humildade e sem cobrar nada. Isto nunca vai dar certo.
José Fonte de Santa Ana.

19 sérgio { 02.22.11 at 22:30 }

parabens pela a iniciativa do governo de fazer a hidreletrica aqui no nosso estado, porque ira gerar varios empregos pois a nossa cidade esta precisando que seja bem vinda a hidreletrica de belo monte.

20 MATUZALEM JORDANY BARROS { 02.24.11 at 17:15 }

também sou morador da região
e senceramente essse “grandes projetos”, na verdade isso adveem de um contexto muito antigo. na verdade, essesprojetos só servem unico e exclusivamente como um curral eleitoral desses politicos corrupitos. É bem verdade, esse projeto vem se arrastando a decadas. no entanto fala-se em genocidio citando como exemplo o que Adolf hitler fez com o Judeus e negros na Alemanha na primeira metade de seculo XX.Comparando-se este fato citado anterior, comparando com o que vai acontecer com aqueles povos indigenas não é um genocidie também? essa pergunta fai demorar alguns anos para ser respondida. ou só quando esta obra termina que com ela vem marzelas sociais. , Mas como podemos reclamar de uma cituação se nossa população não tem voz ativa é preciso de vim pessoas de outros paises para nos defender (James Cameron, diretor do avatar, a Ir. Doroth e outros). Acho que estamos precisando de mais moviemntação pessoas que posssant inteceder por nós nas camaras e nos cenados. Nós, os nortistas, considerados pelo restantes da nação só fechamos as portas quando depois que os ladroes fizeram a festa. se se bem que não adianta fazer nada pois somos apenas maionetes dos oligarquicos (os nossos politicos) que só acumulam riquesas para si proprio.
Acho que devemos voltar algumas decadas, uo ler um pouquinho sobre nossas histórias de nossa região, se bem que nossas avós ja se foram o que nos restam é ouvir algumas história “carochinha” que nossos professores alienados e capitalista nos contam desdes os primeiros anos de escolas de que os brancos são os herois os indios negros e decendentes(nós) somos apenas mão-de-obra daqueles que os dominam.
Que tal olhar um pouco para o passado, não muito longe, e nos espirarmos nas manifestações que ocorreran na segunda metaade do seculo XX e nos espelharem para que não aconteça um novo genocideo em pleno seculo XXI, e so ditadores estão ae rindo de nossas caras nas camaras e no cenado. bela porcaria! é até um puco contraditóri, pois o cenado e camara no antepassado seria uma reunião com o representante mais velhos da comunidade. Que tal pegarmos a tapuya india que cortou aquele cara lá no ginasio em altamira em 2007 para nos dizer os impactos que ocorrerão na construçaõ de belo monte! te garnato que ela daria uma aula para varios doutores.

21 Somel Serip { 02.28.11 at 13:00 }

Problemas Ambientais, olá !

Alerto que o Meio Ambiente é também sensível à emissão de CO² provocada no Transporte Interestadual de Cargas !

Atualmente, toda a produção de Commodities, no nosso centro-oeste, utiliza os modais Rodoviário e Ferroviário, até alcançar o s Potos de Santos e Paranaguá para serem exportadas !

No entanto, o Transporte Hidroviário é o que menos emite CO² e é o mais económico, além de ser o mais apropriado ao transporte de Graneis, que é o tipo das Commodities produzidas em Mato Grosso !

Então, se esta obra for realizada, além dos problemas já citados aqui, será uma Obra Insustentável por não possuir, comprovadamente, alguma intenção de ser provida das respectivas Eclusas que são essenciais para que os Comboios de Chatas possam tranpor esse barramento e prosseguirem rumo ao Porto da Vila do Conde, para a exportação de suas cargas provenientes do nosso Centro-oeste !

Assim, não podemos permitir que Belo Monte torne inviável um Corredor de Exportação pela Hidrovia do Xingu !

Abraços à todos !
Somel Serip

22 Maues { 03.12.11 at 17:09 }

sou contra (natureza em 1 lugar)

23 Adriana Oliveira { 03.28.11 at 15:41 }

eu como gestora ambiental nao acredito q vamos ganhar essa batalha, pois muita gente poderosa esta por tras desse absurdo
q é a contrução dessa uhe. é dificil de entender q em pleno seculo XXI ainda presenciamos extrema ignorancia

24 Mariana { 03.30.11 at 10:38 }

eu adorei saber mais sobre as usinas.

25 CRISTOVÃO WIILK { 03.31.11 at 15:09 }

A UHE BELO MONTE à princípio poderá gerar milhões de empregos e tudo mais que vem dizendo por aí… mas a questão é que se refletir-mos, chegaremos a conclusão de que a construção da mesma não valerá muito a pena para o país;
Basta olhar apenas as características gerais do AHE BELO MONTE que são:
Capacidade instalada de 11.233,1 MW de potência;
É previsto uma geração anual de 38.790.156 MWh ou 4.428,1 MWmédios.
Olhando para a geração média da usina, vemos que já não vale a pena. O custo será muito alto, mas, a produção baixa.
Ainda existe os problemas de carácter socioambientais que devem ser analisados sucintamente.
O preço a ser pagar por essa usina em Belo Monte é muito alto para a região, sendo que a mesma só irá ter os olhos do Brasil e do mundo voltados para a região.

26 Pedro { 04.05.11 at 23:29 }

O Brasil com o novo impacto de desenvolvimento nascessita urgente de energia. Sendo assim, contruções de barragens que venha beneficiar o País,é preciso que se tenha o bom senso e responsabilidade. A Hidrélétrica de belo monte é inprescindível. Não vamos construir usinas nucleares que em termo simbólicos ( base de Urânio, paredes de Césio e telhado de Plutônio) estamos vendo , sendo testemunhas oculares dos desastres que a energia nuclear causa ao meio ambiente, com destruição irreparável para o meio ambiente, onde o ser humano não tem condiçoes de viver por centenas de anos devido a radiotividade.Já que na reportagem de hoje até a OEA está condenando . A , OEA deve se preocupar com a pobreza dos países pobres da América Latina. Hoje somos O Brasil que almejamos , fazendo parte do G-20. .Portanto, na construção de belo monde causa impacto ao meio ambiente, mas trabalhando com responsabilidade, iremos salvar muitos animais. Os países desenvolvidos destruiram, acabaram com seus ambientes com poluição, mandando para a Biosfera queimada, e atualmente centenas de toneladas de bióxido de carbono que vai ao dia . O Brasil está fazendo belo monte e que servirá a energia gerada para muitos fatores e que muitas outras Naç~es não sonham de ter, e irão partir para energia nuclear. O perigo ficará a flor da pele. Não é preciso se ter o desastre de terremoto como foi no Japão.Uma usina nuclear tem imprevistos que o homen não prevê. Quando acontecer será tarde. O Brasil não tem necessidade de construir usinas nucleares, porque o futuro não é boa tanto para aquele país como para humanidade. O governo tem meu visto positivo, vamos construir a hidrelétrica de belo monte e outras que vierem.

27 fernanda { 04.19.11 at 17:48 }

para mim essa obra so vai deixar mas rico os ricos e mas pobres os q ja sao pobres……muito bom seu texto

28 Lucas Satiro { 04.27.11 at 23:08 }

Se esses políticos fossem mais democráticos e transparentes, se peocupassem e escutassem mais a população mais bem informada, e quisessem mesmo melhorar o país, com certeza eles desenvolveriam o país com formas bem menos impactantes ao pouco que nos resta da natureza original, sem ter que criar processos retardatários gigantescos e achar que eles serão essenciais para esse “desenvolvimento” promovido.

29 Anna Clara { 05.03.11 at 20:15 }

Eu tenho 13 anos e sou completamente contra a construçao dessa usina,q alem de causar impactos ambientais tambem causara impactos culturais devido aos indigenas. Infelizmente terei q fazer uma apresentaçao com esse tema representando um tribunal: a sala foi dividida em tres grupos,a favor da construçao da usina,contra a construçao e o juri q ira julgar os argumentos. O unico grupo q eu nao queria ser era o a favor e foi nfelizmente oq fui sorteada,estou perdida,nao acho nada contra. :(

30 luciele de jesus amlmeida { 05.14.11 at 17:12 }

Não acho que seje uma boa ideia eu moro em minas é bem distante mais acho que o projeto em anexo venha causar um impacto muito grande na região de belo monte como a extinção de especies de peixes e o que antes era belo nunca voltaria o normal é não seria chamado de belo mais.

31 Felipe Souza { 06.02.11 at 9:09 }

Tenho 18 Anos moro em piracicaba sinto em ver que para maioria dos seres humanos a natureza,´´Não vale nada“,algo que Deus nos Deixou para sabermos desfrutar e aproveitar seus beneficios sem que isso seja combrado,mas as autoridades não querem nem saber disso,aprovam obras sem consultar as pessoas diretamente e indiretamente afetadas,acho que temos outros recursos a serem aproveitados algo sustentavel, ´´Já é hora de pararmos para pensar no Futuro das próximas gerações,e não só pensar mais agir.“

32 Felipinho { 06.03.11 at 8:48 }

É lamentavel saber que as pessoas só pensam no dinheiro;
E não vem o que decisões como esta de construir a usina,pode mudar todo uma forma de vida,afetando não somente os animais mas as pessoas,somos os mais prejudicados com atitudes assim;
Na minha opinião esse assunto deveria ser mais discutido e aprofundado nas causas e consequências;
´´ Vamos parar de empurrar com a barriga temos que agir o aquecimento global existe,e se não nos preoculpamos com o futuro das novas gerações temos que nos preoculpar com o nosso,ja estamos sofrendo com as consequências desse Aquecimento,Somos seres humanos,somos inteligentes temos que usar essa inteligência não para construir armas nucleares que só servem para destruir mais sim meios SUSTENTAVEIS,tenho 18 anos moro em Piracicaba e não quero ser mais um que só vai ficar olhando o Mundo ser DESTRUIDO.

33 REURI BARBOSA { 06.03.11 at 10:03 }

Tenho 22 anos moro em peixoto de azevedo mt. Brasil um país em pleno continúo desenvolvimento de suas terras, apregoando uma ideologia democrata que oferece condições de vida a todos com igualdade. porém os’’ filhos deste solo és mãe gentil’’,… sabe que não e veridico. é notorio que as contrusões das usinas hidrelétricas, não tão somente das mesmas mas as construções em geral no brasil e parte de um grande avanço economico e industrial tecnológico que faz jus a expressão ”Gigante pela própria natureza, És belo, és forte, impávio do colosso, E o teu futuro espelha essa grandesa”. Mas qrero resaltar que entedo e compreendo que as usinas aumentarãom e o desenvolvimento na politica de cobrança abusivas também e esse extigmas não e só co-rrelacão aos fatos relatados no texto e em tudo no nosso Brasil, valores super faturados alguns editados na folha da fatura mensal e outros que fica oculto ao verdadeiro prejudicados ”FILHOS DESTE SOLO…” cotados sem nenhuma forma de respeito como consumidor, sendo o menmo consumido pelo um ”imperio” de politicos esonersdores de algo mais do que nosso patrimonio financeiro por que esse nem se conta mais, e acerca dos nossos direitos sociais e umanos de uma sociedade livre e batalhadora .

34 thamires { 06.12.11 at 16:32 }

nossa quanta coisa ruim vai acontecer se construirem a hidreletrica esse texto mostra isso ,sou totalmente contra muitas especies vao ser estintas e algumas vao desaparecer.

35 eduarda { 06.16.11 at 14:53 }

ne sei pq fizeram isso sio para da problema

36 duda { 06.16.11 at 15:00 }

eu gostei de saber mais

37 rita maria { 06.21.11 at 16:08 }

Cada vez que os nossos governantes resolve,investir nos projetos do nosso país ninca pergunta para o povo se pode ou não se vai te prejudicar,isto tudo vai ser nos mesmo que iremos pagar e muito caro,nesta hora nossa opinão é o que menos conta,vamos abrir o olho, o povo tem a força,só basta a união,pois a conta desta hidreletrica,quem vai pagar será eu, vc e os nosso filhos netos e bisnetos,mais uma dvida que eu não queria fazer,mais não me perguntaram se eu posso ou não pagar,mais sei que a taxa de imposto eles irão me cobrar.

38 Paula { 07.04.11 at 17:31 }

Surpreendente também neste absurdo geral é a falta de debates e de espaço na mídia, haja vista a importância deste assunto. Onde está a mídia neste momento? Não vemos nada sendo falado em nenhum canal de TV… (questionamentos básicos como, recursos naturais (e até mesmo financeiros) JAMAIS passíveis de recuperação, até a queda natural da água naquela região, devido a declividade do terreno, é desfavorável à um empreendimento como este, sem falar no aspecto de estimativa de produção de energia – basta analisar a capacidade de potência instalada X previsão para geração anual – pronto, já fica claro que será um custo altíssimo para uma produção relativamente baixa… esse empreendimento não tem como dar certo! LAMENTAVEL³ !!!

39 Emerson Assis { 07.19.11 at 14:13 }

Essa usina vai destruir uma área muito grande e amazônia não deveria se destruida desse jeito.

40 roberto lima da rocha { 07.26.11 at 15:10 }

que beneficio essa barragem de belo monte vai trazer para os paraense.

41 Janet { 08.06.11 at 14:27 }

O interessante é que o ser humano só conhece a energia elétrica a 132 anos, e

já não vivemos sem ela, a milênios não precisávamos disso e hj somos capazes de

destruir nosso próprio habitat para não abrir mão de nossa comodidade e dane-se

as florestas, dane-se os indígenas e dane-se a fauna e flora,hj querem contruir

Belo Monte para o abastecimento de energia e como será daqui a 100, 200 ou 300

anos??? Dê onde tiraremos energia suficiente para suprir as nessecidades do ser

humano que cada vez esta maior e mais exigente??? E sabe pq a mídia não

divulga, não mostra assuntos como este? Pq sem dúvidas eles precisam manter-se

imparciais, afinal este projeto envolve políticos poderosos, envolve “rios” de

dinheiro, e o que interessa para as emissoras é DINHEIRO, assuntos assim,não dá

audiência, afinal o povo brasileiro só se interessa por coisas fúteis, ninguém

está interessando em saber qual impacto terá a construção de uma usina

hidrelétrica. Infelizmente nosso povo não tem cultura e consequentemente não

tem consciência ambiental, vejo todos os dias pessoas jogando lixo na rua sem

nenhuma cerimônia. Enfim o povo precisa de educação de verdade senão, será disso para pior!!!!!!

42 joelma de abreu { 08.12.11 at 18:23 }

não sou contra o desnvolvimento,porém sou a favor dos valores que se perdem a partir de cada hidrelétrica construida.será que vale td até destruir sonhos para construir hidrelétricas?

43 Redenção { 08.16.11 at 19:46 }

Estou indignado Belo Monte e um projeto inviavel. Acorda meu povo e ora do sim ou não

44 letícia { 08.18.11 at 18:04 }

O impacto é muito maior, do que o benefício, isto é um abuso de poder, vão construir uma cicatriz ireparável,sabendo-se que pode-se evita-la, com a construção de um parque aeólico, com energia de placas solares, energias limpas. Esta hidreletrica, só vem confirmar a falta de dignidade de nossos politicos, que querem matar o meio ambiente que já está agonizando.

45 Gabriel Reis { 08.22.11 at 19:52 }

Ta igual a situação da hidrelétrica de balbina em manaus ,todo mundo apontou os problemas e mesmo assim o governo construiu akela merda que tah parada pq gastava muita energia pelo rio ser muito pequeno ,povo burro

46 patricia { 08.23.11 at 21:03 }

acho um absurdo isso,cada vez mais destroem tudo e acabam com os cursos naturais da natureza,só visam dinheiro pra quem ja tem e quem não tem,sofre …

47 Jose Francisco Oliveira Nunes { 08.25.11 at 21:56 }

Sou engenheiro Agronomo, formado pela Escola de Agronomia da Amazonia pelos idos de 1980, e muito me admiro os compatriotas serem contrarios a construção dessa usina. O Brasil precisa crescer, para gerar receitas e riquesas, sei perfeitamente que alguns prejuizos poderão advir como ocorreu com a construção da Usina de Boa esperança entre Maranhao e Piaui. No entanto, precisamos de insumos para gerar riquesas e uma delas e a produção de energia advinda do represamente da agua, pois o mundo todo se volta para essa tecnologia inclusive a Alemanha maior produtora de energia advinda da quebra do atomo e hoje apresenta um programa de desativação dessas unidades. O IBAMA jamais poderia, se tiver bom senso, provocar o desaceleramento dessa modalidade de energia, pois estaremos fadado a ver o progresso passa, devemos pensar e na corrupção.
estou no aguardo de debates.

48 Nivaldo Caliman { 08.26.11 at 9:31 }

Existem estudos que provam que construir grandes usinas hidrelétricas traz um altíssimo custo adicional que são as linhas de transmissão, custarão bilhões de dólares, tais estudos provam que podemos/devemos construir pequenas usinas que atendam a pequenas regiões. Em pleno século XXI temos a possibilidade de utilizarmos tecnologias novas que podem perfeitamente e quase ao mesmo custo substituir as hidrelétricas como a energia eólica, energia solar e a utilização de bagaço da cana. É inegável que a construção de Belo Monte trará efeitos negativos direta e indiretamente ao meio ambiente e também a questão social (atraiu milhares de trabalhadores de outras regiões). A questão da produção média desta usina torna a energia produzida por ela a mais cara do planeta. O mais preocupante nisso tudo é a apatia da população local e também de outras regiões sobre este mega projeto. É sabido que ocorreram vários reuniões com a presença de ONGs, poder público e outros mas será que realmente a questão foi apresentada de maneira clara ou tentaram apresentar “mais um espelhinho” para os moradores da região??

49 Adriana { 08.26.11 at 21:26 }

Eu acho um absurdo o governo aprovar tanta devastação para construir uma big hidrelétrica estão mais preocupados em ser terceira maior hidrelétrica do mundo, perdendo apenas para a usina Três Gargantas (China) e para Itaipu (Brasil-Paraguai), do que com o estrago que tudo isso pode trazer. Que promiscuidade!

50 Ionara { 08.27.11 at 13:32 }

Parabéns pelo texto!!! Sou completamente contra a contrução da hidreletrica de belo monte, o Ibama fala tanto em preservação e aprova uma grande devastação. Eles nao estão preocupados com a situação do povo q aq reside, muito menos com a fauna e a flora. Nossa opinião so serve para os politicos na hora de votarmos, sabem pq nao sao eles os desalojados. Porto de Moz e outras cidades com tantas praias lindas vão sofrer com esse dano, q água linda do Xingu onde o amazonas vai invadir, especies de peixes irao desaparecer, politicos cadê vcs para com junto do povo as eleições estão chegando……

51 carine farias { 08.29.11 at 17:09 }

sou a favor,fim.

52 Paulo Afonso { 08.30.11 at 10:23 }

Escrevo em resposta ao José Fonte de Santa Ana.
Sou do tempo que se discutia a viabilidade ou não da construção de Itaipu. À época, o principal argumento contrário era o alagamento de Sete Quedas, considerado um patrimônio turístico invejável.
Hoje, se for perguntado a qualquer um – índio, branco, preto ou mulato – se o Brasil poderia viver sem Itaipu, a resposta seria: – Impossível, a menos que aceitássemos voltar ao fogão a lenha e ao lampião de gás.
Com Belo Monte, a situação é muito semelhante. Podemos optar por não construí-la, mas teremos que tomar uma das duas atitudes: diminuir o consumo de eletricidade e retardar o progresso do país ou apelar para fontes poluentes de energia, tipo termoelétricas ou usinas de gás natural. Temos a grande oportunidade de usar uma fonte limpa de energia – a energia hidráulica – sem prejudicar a vazão do Rio Xingu e sem alagar terras indígenas. A inundação será de 0,049 km2/MW, uma das menores do mundo.
No entanto, nem tudo é perfeito. Para se obter uma área alagada tão pequena, foi necessário reduzir a capacidade do reservatório e, com isso, diminuir a produção firme de energia. Se Belo Monte tem capacidade de geração de energia projetada superior a 11.200 MW (superada apenas pela chinesa Dois Irmãos e por Itaipu), sua potência firme esperada é de cerca de 4.400 MW.
O José Fonte de Santa Ana vai se escandalizar, mas é preciso fazer novos estudos, desta vez para se descobrir meios de aumentar a potência firme de Belo Monte sem aumentar a área alagada.
Existem muitos recursos possíveis. Afinal, a Amazônia detém o maior volume de água superficial por habitante do planeta, além do maior aquífero do mundo. Tudo é uma questão de se estudar a melhor forma de conduzir água à usina sem alterar a capacidade de reservação.
Um bom dia e fica lançado o desafio: quem tem sugestões para aumentar a capacidade de Belo Monte sem alterar o volume de seu reservatório?
Em tempo: É preciso que ambientalistas e desenvolvimentistas se unam para melhorar a capacidade de geração de energia de Belo Monte, pois um aumento substancial em sua potência firme de Belo Monte pode tornar desnecessárias várias hidrelétricas projetadas para a Amazônia, evitando desmatamentos já projetados.

53 ana { 09.02.11 at 12:08 }

eu acho uma falta de respeito muito grande ma causa uma indignação muito grande pois moro perto de onde será contruido a usina de Belo monte tenho certeza que muitas comunidades ribeirinhas serão afetadas com a poliicão e destruição da nossa fauna e flora eu tenho medo pois nos temos um dos rios mais extensos com uma grande diversidade biologica e a presidente não está nem um pouco precupada com todos esses impactos ambientais

54 FERNANDA { 09.02.11 at 21:38 }

VOCES AINDA QUEREM ACABAR MAS COM NOSSA AMAZONIA A CUSTO DE DINHEIRO PARA VOCES GOVERNANTES FIQUE SABENSO QUE MUITA GENTE NAO APROVA POIS O CLIMA ESTA CADA VEZ PIOR TUDO E FACIL AGORA QUERO VER DEPOIS

55 gilvane { 09.10.11 at 8:01 }

é estamos ferrados com as autoridades deste país

56 Tainá Maia { 09.18.11 at 11:07 }

Eu não concordo com essas Usinas.
A hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, Pará, será a usina que produzirá menos energia, proporcionalmente à capacidade de produção, e que terá maior custo para os investidores na comparação com outros empreendimentos de grande porte, em razão da intensidade dos impactos sociais e ambientais na região, na avaliação de especialistas na área consultados pelo G1.
A energia firme de Belo Monte é proporcionalmente menor segundo dados do governo por conta das características do Rio Xingu, cuja vazão fica bastante reduzida em épocas de seca. Para reduzir os impactos ambientais, Belo Monte não terá reservatório, será uma usina a fio d´água, ou seja, vai gerar energia conforme a quantidade de água existente no rio.
Em entrevista ao G1 no fim de março, Maurício Tolmasquim, o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), órgão do governo federal responsável pelo planejamento de energia, disse que o percentual menor de energia firme é um fator negativo. “Temos no Brasil um sistema interligado, onde uma usina complementa a outra. Uma hora chove mais no Sul, outra hora no Norte. Não se podem olhar números isoladamente”, disse.
Custo socioambiental
Na avaliação do engenheiro Luiz Pereira de Azevedo Filho, que foi de Furnas e atualmente é secretário-geral do Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Energético (Ilumina), embora haja previsão da variação da produção de energia ser elevada em Belo Monte, o principal problema são as questões socioeconômicas.
Ele fala “Vejo que os impactos socioambientais são os que influenciam para tornar a obra menos viável economicamente, do ponto de vista de investimento. Mas esse é um preço que vamos ter que pagar aqui para frente para fazer usinas da Amazônia, um empreendimento menos atrativo.”
O secretário do Ilumina diz ainda temer que o custo da obra seja maior do que o previsto, mas acredita que fique bem abaixo dos R$ 30 bilhões especulados. “Eu acho que houve certa precipitação, o governo deveria ter feito com mais calma. Tenho temor de que possa aparecer algo que não foi devidamente estudado e que vai aumentar o custo da obra.”
Ele destaca ainda a insegurança jurídica – levantamento do G1 mostrou que o governo ainda terá de enfrentar 15 ações na Justiça contra a hidrelétrica no rio Xingu. “E se em uma dessas ações a Justiça acaba concedendo e alterando o fluxo da obra? A situação pode se complicar ainda mais” Diz Azevedo Filho.
A população que depende do Rio teme ainda a seca na Volta Grande, local habitado por índios e ribeirinhos. Isso porque parte da água terá seu curso desviado para um reservatório, uma área que será alagada, e com isso a vazão será reduzida no trecho de 100 quilômetros. O governo confirma que haverá redução na vazão, mas diz que a população não será prejudicada.
Belo Monte: “solução burra para a geração de energia no Brasil”.

“Belo Monte é uma resposta medíocre para o desafio de gerar energia para o país”, diz Marcelo Furtado, diretor executivo do Greenpeace no Brasil.

Do ponto de vista ambiental, ela repete erros que o país cometeu no passado, alagando áreas de floresta relevantes para construir mega hidrelétricas. Itaipu afogou o Parque Nacional de Sete Quedas na década de 1970. Quarenta anos depois, Belo Monte vai provocar um desmatamento de 50 mil hectares em zona de mata, ainda razoavelmente conservada, em pleno coração da Amazônia.
O processo de liberação da obra mostra também como o licenciamento ambiental no Brasil andou para trás.
É Lula, e não a lei, quem agora define seus prazos. Qualquer resistência é recebida pelo presidente e seus ministros com uma ironia burra acerca da complexidade do trabalho dos técnicos. O argumento central é que a conservação da natureza atravanca o desenvolvimento. As 40 condicionantes impostas pelo Ibama para mitigar os efeitos ambientais da obra apenas aliviam os imensos impactos sociais e ambientais da obra. E seriam dispensáveis se o governo recobrasse os sentidos e percebesse que Belo Monte é uma obra desnecessária.
“Belo Monte também é símbolo de uma visão de desenvolvimento defasada”, prossegue Furtado. “Ela não agrega novas tecnologias, não embica o país para o futuro. É uma obra de cimento e aço, típica do século que passou. Além de antiga, Belo Monte, ela vai operar com um alto nível de ineficiência.” Longe dos principais mercados consumidores do país, a energia gerada em Belo Monte terá de ser enviada às regiões Sul e Sudeste do Brasil, produzindo enormes perdas.
Belo Monte produzirá energia a quase 5.000 km distantes dos centros consumidores, com consideráveis perdas decorrentes na transmissão da energia.

57 melissa { 09.26.11 at 10:23 }

‘Belo monte de merda’ isso é um absurdo! e uma regressão!

58 Julia { 09.30.11 at 11:56 }

Eu sou contra!!! Os unicos que irao se beneficiar serao esses politicos de baixo nivel que com certeza faturarao em cima desse projeto MEGALOMANIACO e RIDICULO!!! Eh incrivel ver como coisas tao serias sao banalizadas no Brasil. O impacto a medio e longo prazo serao desastrosos!!! Acorda Brasil ou facam como eu fiz imigrem para um pais melhor!!! Sem arrependimentos!!!

59 ana { 10.02.11 at 17:38 }

nao gosto muito da ideia usina hidreletrica !!!
bem aqui ,bem pertinho queren construir uma

60 italo { 10.04.11 at 21:37 }

são tantos animais que algumas centenas nao lhes farão falta..
pois então, são tantas pessoas e algumas centenas não me farão falta

Parques eólicos são muito mais bonitos de se ver e tem um menos impacto no ambiente

peguei uma parte do texto.. mto massa =]

61 Mirian Santos-Hana Yasmim { 10.06.11 at 17:40 }

Esse projeto tem autorizaçao do ibama pelo fato dos politicos estarem dando em troca muita verba…se a obrigaçao do mesmo é proteger a fauna e flora porque fazem isso sabendo que teremos muitos prejuizos também?
politicos só querem saber de ganhar dinheiro,pra depois encherem seus filhos de luxo,só pensam em seu beneficio e nao no quanto esse projeto merda irar prejudicar o meio ambiente,seus egoistas!!!!

62 LARISSA { 10.06.11 at 21:37 }

TÁ, e ai???? vocês vão passar a noticia, mas o que vão fazer pra mudar isso? O que, que moro no interior de SÃO PAULO posso fazer pra ajudar? Eu sou totalmente contra essa merda! Depois disso, o miserável resto do ambiente que vai sobrar vai ser destruido por industrias qeu com certeza vão procular alojamento por la.

Cara, Eu queria muito fazer alguma coisa. Mas vou fazer o que??? O Brasil tá se vendendo desde o governo de sei lá quem… e o que é que eu posso fazer??? AFF, QUE ORGULHO EU DEVO TER DE MORAR NESSE PAIS?

63 catia { 10.12.11 at 21:21 }

sinceramente estão cada vez mais acabando com a natureza…..porque existe a energia aeólica????será que não enxergam nada além do própio unbigo….ou melhor dinheiro….porque se eles pensam que é para melhorar a vida de quem mora em Belo Monte…está muito enganado….fico indignda por nada poder fazer..

parabéns pelo texto….

64 Géssica { 10.17.11 at 14:41 }

Com tantos outros recursos de energia ,isso é um absurdo!

65 Mariana { 10.18.11 at 23:29 }

Isso é um absurdo um lugar como esse que tem uma biodiversidade incrivel com especies endemicas, especies ameaçadas de extinção ser transformado em usina … Hoje se fala tanto em SUSTENTABILIDADE mais na hora de tomar medidas ainda recorremos pra coisas ultrapassadas e absurdas como essa. Temos outros meios de obter energia sem degradar tanto o meio ambiente atraves de pequenas usinas hidrelétricas, energia de biomassa, eólica e solar … e quem deveria estar olhando por isso são os nossos governantes e são eles mesmo que fazem projetos como esses visando com certeza lucros proprios, he é numa hora dessas que a midia tinha que ser usada, tenho certeza que 70 % da população não sabe nem que essa Usina vai ser construida e muito menos os impactos socioambientais que ela proporciona… o mais impressionante é o IBAMA aprovar uma obra dessas, As vezes da ate vergonha de ser brasileiro =/ !

66 Bruno Rodrigues { 10.21.11 at 16:56 }

Excelente argumentação, parabéns pelo texto, foi muito útil!

67 waleska { 10.22.11 at 20:05 }

Orgulho?. . Acho que realmente nenhum!

E queria informar tambem aqueles convencidos de que a hidrelétrica possa diminuir a liberação de CO2 na atmosfera, de que estão errados já que uma hidrelética pode poluir tanto quanto uma termoelétrica.
Na verdade acho que realmente o q estão tentando fazer é um verdadeiro etnocídio e genocídio dessa antiga cultura indígena fazendo assim com que práticas mt antigas de descuido com o povo brasileiro ainda continuem mesmo depois de séculos.

68 Josi { 10.27.11 at 9:28 }

Prezados,
Acho pertinentes todas essas opiniões! Porém gostaria de salientar que necessitamos do PROGRESSO! Adoramos chegar em nossas casas ter energia para ligarmos as TVs, tomarmos banho quentinho etc… Adotamos um discurso AMBIENTAL um senso comum… porem gritamos qdo a tecnologia não nos atende!
Bem, sou a favor do projeto: Pois, há todo um estudo da Fauna , Flora e impactos… e tudo gera impactos! até uma PALAVRA. Enfim, temos que pensar que muitas pessoas estão envolvidas, muitos estudiosos e como qualquer SER HUMANO eles não querem que a NATUREZA seja prejudicada e com isso eles mesmos! Enfim… temos que discutir… ouvir e ler sobre… esta é a melhor forma de mudarmos e atingirmos a melhoria do nosso ESTADO que todos julgam tão miserável… porem não permitem que o progresso chegue! O senso comum não pode imperar… temos que observar e construirmos nossas próprias opiniões…

69 Adriele { 11.07.11 at 12:22 }

Isso mostra como o Brasil está preparado para alcansar o desevolvimento,acabando com a fauna,flora e até mesmo com o seu próprio povo.O Brasil quer destruir a Amazônia,logo,com a construção da Belo Monte virá outra e mais outra,até eles tomarem de conta de todo espaço.Que vergonha….. Dá vontade de rir quando ouço falar em desenvolvimento,e fico me pergntando: Pra quem? Tenho certeza que não é para o povo dessa região que não sabem até quando terão uma terra para morar,cuidar de seus filhos e continuar vivendo a sua vidinha até o momento que o homem grande entra na história e resolve implantar uma besta de uma barragem no rio xingu,que serge como meio de vida de muitos ribeirinhos que ali moram. Será que isso é justo? Expulsar pessoas,matar animais e plantas em prol de algo que tem outras alternativas? Essa é a verdadeira cara do país em que vivemos.País de quem tem mais dinheiro,quem não tem é massacrado,humilhado e rejeitado pela a sua própria nação. DIGO NÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA USINA DE BELO MONTE

70 Roberta { 11.18.11 at 20:11 }

Há muitos aqui argumentando sem conhecimento. Pessoal, vamos cair na real? ALGUM DE VOCÊS TEM OUTRA SAÍDA VIÁVEL? O mundo precisa de energia!

71 Andreza { 11.19.11 at 12:54 }

Como podem fazer isso? o único fato considerado é o dinheiro.. nada mais importa pra eles, qualquer desmatamento é ruim, imagine o da floresta de maior biodiverdade universal, não importa se em partes, mas eles tbm estão se destruindo, pois isso atinge diretamente todo o ecossistema, portanto a espécie humana. Já estamos vendo as consequências, aquecimento global, efeito estufa. Pena é que os inocentes é que pagam.

72 Elisa { 11.21.11 at 12:07 }

@Roberta pra que fonte melhor do que a energia eolica???BRASIL TEM UM PORTE ENORME PRA GERAR ESSE TIPO DE ENERGIA, falo pelo meu CEARÁ,por que não investir nessa forma??como pode isso é até uma fronta a criação de DEUS….cade as manifestações, cade a imprensa e a midia???gente a Dilma caiu em meu conceito,estou muito triste em relação a essa decisão dela, triste pelos indios que são tirados brutamente de seu espaço, triste pelos impactos sociosambientais, O BRASIL ESTÁ PERDENDO SUA ESSÊNCIA….

73 Mayrane brenda { 11.22.11 at 14:56 }

Eu moro no Pará, e sou contra a usina de belo monte. As autoridades do nosso País pensam em riquezas, mais projetos. E esquecem da cultura, meio ambiente, e etnias, e com a construçao de Belo monte, trará uma grande perca, de biomas regional. ” Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação

74 talysson { 11.25.11 at 16:03 }

O homen se submete a prazeres do capitalismo, perdendo assim seu caráter e sua sencibilidade para enchergar que da forma que estão as coissas só estaremos acelerando um processo de auto-destrição não só da raça humana mais também de todas as formas de vida.
Quando não houver mais nem uma arvore em pé, nem um passaro voando a natureza totalmente dessimada. o homen olhará para tras e verá q tudo oq fez foi um grande erro.

75 willian borges { 11.27.11 at 19:43 }

eu penso da seguinte maneira o governo controi essas coisas de ibama para proteção de animais e do meio ambiente, agora me diz pra que inventar esses tipos de coisas para proteger o meio ambiente sendo que eles mesmos estão prejudicando o proprio chega de tanta corropção neste pais o brasil e um pais muito grande mas a nossa flora ambiental já não aguenta mais chega eu me revolto com esse tipo de situação minha mãe é assistente social e ela me orienta mas a minha vontade mesmo e ir na prefeitura e fazer um barraco por que um dia a casa deles vai cair.willian.badboy@hotmail.com

76 Jodacil { 11.29.11 at 12:50 }

A Globo contra Belo Monte, a Folha contra Belo Monte, mil ongs e três partidos emergentes contra Belo Monte, os padres contra Belo Monte … acho que vou ficar a favor de Belo Monte!

77 Revoltado { 11.30.11 at 13:39 }

Minha indignação é a mesma de muitos que pensam no impacto que isso vai ter
Queria que algum militar da aeronáutica fosse com um caça e lançassem um míssil para destruir esta obra devastadora, garanto que esta pessoa iria ser reconhecida como um grande herói

Abraços a todos

78 Sérgio { 12.01.11 at 16:06 }

Fico abismado com tantos comentários de “Especialistas” em geração de energia, meio-ambiente e questões indígenas.
Isso sem falar no brutal assassinato da língua portuguesa por parte destes “Doutores”.
O fato é que a grande maioria destas pessoas que estão aqui comentando, não sabe sequer o que é uma Usina Hidrelétrica ou o que faz uma indústria funcionar. Talvez pensem que o ar-condicionado e a TV de LED de suas casas funcionem a lenha.
Será que algum destes “Doutores” já esteve nesta região que será afetada pela construção desta Usina?
Será que conhecem aquele trecho da Rodovia Transamazônica de 520 km que liga Marabá a Altamira?
Aquilo esta lá desde a década de 70, abrindo um rasgo na floresta, rasgo este que só aumentou nas décadas seguintes sem que nenhum destes “Doutores” que estão comentando aqui ao menos soubessem o que estava acontecendo por lá, importar-se com isso então passava longe das suas vidas.
Agora vem pra cá falar de Belo Monte sem conhecimento técnico da coisa e sem realmente saber o que isso trará de benefícios para toda a região?

É claro que teremos impactos e é claro que pessoas ficarão insatisfeitas, mas e quanto ao resto???
Talvéz se no lugar de uma Hidrelétrica que gerará além de energia, empregos e desenvolvimento para a região, estivessemos construindo um Estádio de Futebol ou um Sambódromo, o povo ficaria mais contente.

79 Sarah { 12.01.11 at 18:05 }

Olha isso é um absurdo com a natureza,porque sabemos muito bem que hoje os homens só pensam em ganhar dinheiro mesmo sabendo que as consequencias serão piores depois,então eu acho que devemos lutar contra esses abestados que lutam para acabar cada dia com Amazônia.NÃO DEVEMOS DEIXAR ISSO ACONTECER.

80 roberto lima da rocha { 12.02.11 at 9:22 }

O IMPACTO AMBIENTAL EM BELO MONTE, VAI SER UM DESASTRE PARA O MEIO AMBIENTE.

81 Rosana knapp { 12.02.11 at 22:28 }

Absurdo total. Projeto para pagar campanha política. Só pode ser esse o motivo de um governo liberar uma construção que vai afetar a nossa fauna e flora brasileira em troca de pouca energia que ela vai fornecer.
Cada vez eu tenho mais nojo dessa raça política e desse governo.

82 Guilherme Martins { 12.02.11 at 23:11 }

Eu vi um comentário dizendo que é a favor pelo desenvolvimento e a pelas pessoas da região que será lembrada, mesmo que isso que custe a destruição do rio… Me pergunto, que tipo de desenvolvimento é esse?? Destruir o rio só vai acabar com a vida dessas pessoas e afetar a vida de todos nós… os impactos são muito maiores que qualquer tipo de benefício, é difícil entender a fome e a perda que isso gerará, o impacto com os peixes, com os animais…. Me pergunto, desenvolver não seria mais viável, barato e de menos impacto com a manutenção de nossas linhas de energia e novas tecnologias para minimizar e até zerar as perdas?? Desenvolvimento ao meu ver deve atingir a TODOS. Atingir uma parte elitizada de gringos donos de industrias e políticos corruptos é retrocesso!!

83 tvbelomonte { 12.03.11 at 17:20 }

É claro que um projeto estratégico do tamanho e da complexidade de Belo Monte gera uma série de dúvidas, ansiedades e discussões.
As pessoas, por não conhecerem profundamente o empreendimento, acabam o criticando. É normal e até saudável que isso tenha acontecido.
Por isso é que estamos aqui: para iniciar o debate, tirar dúvidas e ampliar os questionamentos.
Acreditamos que assim, com esse canal de comunicação aberto, tornaremos o projeto da Usina de Belo Monte um projeto melhor para todos os brasileiros e é claro, melhor para o futuro do Brasil.
Nossa idéia é ir construindo Belo Monte junto com vocês.

Inscreva-se no nosso canal no Youtube, visite-nos no Facebook ou mande sua dúvida pelo twitter @uhebelomonte

84 corecha { 12.04.11 at 17:21 }

eu tenho a solução

85 mateus ferreira de oliveira { 12.05.11 at 11:50 }

diga nao ao belo monte nos nao queremo barrangen

86 Eduardo Augusto Duarte { 12.05.11 at 11:59 }

Reflitam a respeito… Abraços

87 DanielNerdão { 12.06.11 at 12:02 }

Assim como todo mundo, e pelo contrário do que se fala, a MÍDIA não quer a construção e estão envolvendo vocês nessa MENTIRA de que vai haver GENOCÍDIO ou algo do tipo.

- Em Primeiro lugar a USINA SERÁ CONSTRUÍDA DENTRO DO RIO EM UMA ÁREA JÁ ALAGADA. Ou seja não destruirá nada alem do que já está.

- Em Segundo lugar, A USINA não irá desviar curso nenhum de água, isso é pura mentira da mídia. O curso será natural, apenas irá será um pouco RETIDA EM ÉPOCA DE CHEIA ( retida, não acumulada ) E NÃO será RETIDA em época de estiagem podendo até parar o funcionamento completamente para que não falte Água para as tribos.

- Em terceiro lugar do valor do projeto total, será destinado 2,8 BILHÕES, para investimentos sociais na Área e todo o redor da área construída.

-Terceiro lugar NÃO HAVERÁ REMOÇÃO DA POPULAÇÃO LOCAL, é pura mentira da Midia, porque não havera nenhuma construção fora da água, então entendendo que indio não é peixe, portanto não precisa rá de qualquer remoção populacional.

-Quarto Lugar, um dos quesitos do IBAMA é o patrulhamento e vigia da região e do entorno. Porque isso é importante? Porque é muito fácil você falar que a obra é uma abominação, mas está esquecendo QUE A MIDIA é CONTRA A CONSTRUÇÃO porque simplesmente a area e entorno será automaticamente tombada e não se pode operar qualquer tipo de atividade lucrativa. OU SEJA, AS ÁREAS DAQUELA REGIÃO SÃO PRATICAMENTE TODAS JÁ DOS ESTRANGEIROS. E essa construção inviabilizará o comercio de terras por parte dos estrangeiros na quela região e entorno.

- Em quinto e ultimo lugar, as mesmas ONGs que são contra a construção, são todas elas ou de ORIGEM AMERICANA ou é ASSOCIADA AOS ESTADOS UNIDOS, e elas mesmas foram responsáveis por tornar A MAIORIA DAS TERRAS da região de posse dos ESTADOS UNIDOS. Então essas ONGs que vocês tanto confiam são exatamente elas que estão vendendo o A NOSSA AMAZÔNIA PARA OS ESTADOS UNIDOS.

88 luckard { 12.06.11 at 15:49 }

“Belo Monte produzirá energia a quase 5.000 km distantes dos centros consumidores”
Isso é piada??? Que centros consumidores são esses, na Argentina, no México, na Flórida???

89 Benno Wolf { 12.07.11 at 18:24 }

claro que nao sou favoravel ao exterminio de varios animais e a realocacao de alguns Indios e da populacao ribeirinha.
Mas sem isso, estariamos em 10 anos sopfrendo apagoes todos os dias. Com energia alternativa, o Brasil nao tera condicoes em 10 anos de gerar a energia necessaria ao desenvolvimento da industria. A propria regiao da Usina sera uma das que mais crescerao nos proximos 10 anos. A unica alternativa, seria 2 ou 3 usinas nucleares. Mas esta ninguem quer. Que seja Belmonte, mesmo com algumas perdas ambientais.

90 Jussara { 12.08.11 at 8:33 }

Sou autora da dissertação de mestrado “Impactos Ambientais em Hidrelétricas” – Universidade Federal de Itajubá. A pesquisa se baseou em uma matriz para Avaliação dos Impactos Ambientais. A matriz possibilita: agilizar o processo de licenciamento ambiental; indicar o índice ambiental do empreendimento; a matriz pode ser aplicada na fase de planejamento, permitindo uma melhor escolha da área onde será implantado o empreendimento; indicar os índices ambientais para as diversas fases do empreendimento, isto é, o porcentual ao se comparar os resultados obtidos com e sem a aplicação de medidas mitigadoras; existe também a possibilidade de ajudar na valoração da obra dos empreendimentos hidrelétricos, após a ponderação dos resultados. Com o uso desta matriz pode-se encontrar solução para a usina de BELO MONTE.

91 marcia { 12.08.11 at 11:41 }

Um absurdo….. bando de ladrões……isso vai encher o bolso de muita gente e causar uma destruição imensa…..vão usar o suor de vcs para conseguirem dinheiro…..Meu Deus pensar que eu votei nessa Dilma…..é a copia de todos…..Vamos reagir…..esta na hora de pintar o rosto de verde e amarelo e tirar muita gente la de cima…….vamos lavar o chiqueiro……..já esta apodrecendo.

92 Ananda Lesly { 12.08.11 at 17:32 }

Eu não concordo com essa paragem por que com ela ira destruir a mata , ira matar muitos animais, e farias pessoas que morram por perto iram te que si deslocar de suas casas, e também os iram sobre com essas mudanças. Vamos pensar bem nessa enorme destruição.

93 tatiana viana { 12.08.11 at 17:37 }

vamos gritar bem alto por toda vida daquele lugar,
NÃO A ÚSINA BELO MONTE,vamos fazer nossa prte reivindicar,
nao queremos em hipotese alguma.Que utilize outro meio de produzir energia…

94 se não o que!? { 12.14.11 at 4:26 }

palhaçada! nçao tem nada haver com estados unidos o @nerdão. acorda.
eh brasileiro, acordando para o brasil aqui amigo!!!
Nem vamos comentar sobre políticas internacionais. já nos basta a propria.

Abram os olhos. tem nada de errado em dizer não a algo que não rima com a canção do nosso hino e do nosso coração, que esse sim, sabe o que é consciencia!

acorda povo! a Terra é a NOSSA PÁTRIA!

95 thaiane { 12.19.11 at 11:41 }

Olá!
Eu morro longe,(Maceió-al),mas sei desse projeto,realmente vai ocorrer muitas perdas,mas assim eu acho que eles estão pensando também,no nosso país que vem crescendo cada dia mas,e a energia quer temos nãovai dar para sustentar nosso pais todo,eu estoupesquisando muito para saber o que isso vai causar para todos nos,nem sou contra e nem sou afavor dessa grande contrução mas sei que vai gerar algo de bom futuramente.mas A NATURESA em 1°LUGAR.

96 Antonio Carlos Martins Bastos { 12.28.11 at 18:03 }

Gostaria de saber, se os especialistas em meio ambiente,que tem acento nas cadeira do CONAMA, já discutiram, este assunto?

97 Antônio Fonsêca { 01.02.12 at 1:55 }

Na minha infância ouví dizer: “a roda maior vai passar por dentro da roda menor” . Tenho visto alguns casos e a roda menor sai totalmente fragmentada, destruida, porém, como este, jamais ví, incrível! O roda maior deveria ao menos se curvar para uma forma oval e ceder em muitos pontos. Por mais que calculem e meçam pra lá e pra cá, é impossível dimencionarem, antecipadamente, os impactos sócios-ambiantais e, ainda mais impossível, os sócios-culturais.

98 antonio pantoja { 01.11.12 at 21:19 }

ha tantas soluções para geração de energia, atraves de desenvolvimento sustentavel, sem causar impacto ambintal,não precisava afetar as especes que tanto preservamos agora vai tudo por agua abaixo,mais como nosso país é tocado por cartas marcadas,e os governantes já assinaram, a usina BM. vai sais como sempre a nossas opiniõe não vale de nada,nem as condicionantes foram atendidas, já que o nossos politicos naõ fazem nada para ser compridas, pra quem devos apelar, Ministerio Publicos? ou esperar dias piores na região.

99 luan { 01.12.12 at 10:21 }

por que pelo menos o governo nao tenta fazer um tipo de peblicíto para ver a vontade sa maioria?
eu duvido se isso ocorrer,essa usina seguirá em frente!!!!!
estou topando tudo para impedir sou capaz até de protestar com a minha vida se for para impedir!!!!!

100 Franklin { 01.13.12 at 23:23 }

Bom percebe-se uma grande falta de critério na elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA), é inadmissível que uma área de bio-diversidade tão grande posso ter adquirido uma licença ambiental prévia de forma tão rápida, sem estudos mais aprofundados dos impactos gerados, além da despreocupação quanto a os grupos étnicos os quais não se tem contato que habitam à região. O mais curioso de tudo isso é capacidade de produção de energia, que vai ser relativamente baixa, é difícil de entender como um projeto desse pode ser considerável viável.
Só espero que como a maioria das coisas nesse país esse projeto não acabe em “pizza”.

101 francisco { 01.15.12 at 21:26 }

oi amigos nos precisamos da barragem e eu tenho a soluçao para salvar doda fauna de modo economico nunca antes tentado se a direçao da barragem tiver enteresse e so entrar emcontato estou em capinas sp

102 Ana Paula { 01.24.12 at 12:19 }

Sou contra a construção de Belo Monte, na minha concepção não é um projeto viável e a forma como ele está sendo “imposto” (quebrando normas, violando direitos humanos e os da natureza, com EIA/RIMA superficial), tende a trazer muitos problemas paras as comunidades da região. Sou bióloga e me preocupo muito também com a perda de informação biológica, que é extremamente importante para a sociedade. Além disso os impactos indiretos, como o desenvolvimento industrial, agricultura e pecuária na região irá aumentar os desmatamentos e hoje sabemos o quanto o bioma é importante para a manutenção climática. Quanto mais desmatamentos houverem, fenômenos climáticos tendem a aumentar e provocar mais danos em diversos países, a começar pelo Brasil. É claro que há outros problemas que provocam desmatamentos, mas não devemos justificar erros com outros erros. Está mais do que na hora da população “refletir e agir”, e que não necessitamos somente de “energia”, necessitamos também da natureza, da água (sem elas definhamos…), de floresta…dentre tantos outros recursos. Debate nacional é o que deveríamos elencar, a população não pode simplesmente ignorar outros aspectos que estão em jogo, a energia é necessária, com toda certeza, mas é preciso um melhor planejamento para obtenção deste recurso, levando os custos sócios-ambientais como aspectos extremamente relevantes e que devem ser “devidamente” considerados. E hoje (24/01/12) me deparo com a notícia de que várias condicionantes que o consórcio Norte Energia já teria de ter colocado em prática não sairam do papel, o que considero total “desrespeito” com a sociedade local.

103 gabi { 02.13.12 at 19:41 }

issso ee muuuuiiiiito triste gente

104 luis { 02.27.12 at 20:12 }

Dado que temos tantos entendidos no assunto, qual é a solução para a crescente necessidade energética do Brasil? Dentro de dez anos, é estimado que o consumo de energia no país dobre. A energia hidrelétrica é a mais barata e mais viável de todas: a solar ocupa muito espaço (para a produção da mesma quantidade de energia) e é, comparativamente, mais cara. A eólica não é uma fonte de energia confiável, dado que se baseia no vento (algo que, convenhamos, não é algo previsível). A nuclear traz consigo diversas adversidades (especialmente para um grupo de cultos como o que temos aqui que se preocupam tanto com a biodiversidade e os impactos ambientais). A energia nuclear, invariavelmente, produz resíduos que são prejudiciais ao meio ambiente. A energia hidrelétrica, por outro lado, é limpa e não traz malefícios ao ambiente. A energia termelétrica também apresenta adversidades semelhantes à nuclear (em relação ao meio ambiente, ela, ao elevar a temperatura para a produção de energia, eleva também a temperatura média do meio ambiente ao redor da indústria).
Avaliemos então o custo-benefício do projeto. Estima-se que ele custará cerca de R$25,8 bilhões (em uma das mais pessimistas estimativas). Desse total, R$3,7 bilhões serão destinados à investimentos em infra-estrutura na região. Outra estimativa avalia que o custo será de R$19 bilhões. O valor da dívida que o Banco Central perdoou para alguns bancos em setembro de 2011. Além disso, o retorno anual da construção de Belo Monte será de R$40 bilhões. Ou seja, mais do que o suficiente para que os custos sejam justificados.
Partamos para os benefícios diretos da usina. A criação de empregos, por exemplo. Em Itaipu, em números de janeiro de 2012, tem 3423 funcionários. Para a criação de Itaipu, foram necessários mais de 40 mil trabalhadores. Em certos momentos, foram contratados cerca de 5 mil trabalhadores por mês. Após a construção, esses mesmos trabalhadores terão condição de trabalhar em outros locais, pois eles já terão experiência com tal atividade. Consideremos o fato de que haverá o investimento em infra-estrutura. Os moradores da região terão então acesso a educação melhor do que tem hoje. Saneamento básico e saúde são dois aspectos que não é nem necessário mencionar, de tão óbvio as suas necessidades. E, como já foi especificado por meio de projetos (como o Plano de Inserção Regional) determinados pela própria Eletronorte, a responsável pela construção da usina, estas serão áreas que receberão investimentos.
As famílias que serão realocadas não perderão com essa mudança. Será uma mudança de ares e será necessária uma nova adaptação. Mas em compensação, essas famílias receberão terras e habitações que, infelizmente dadas as condições atuais de vivência das mesmas, será até melhor do que as que eles vivem hoje. Os indígenas então passam a ser a desculpa. “Eles estão sendo ignorados”, afirmam os desinformados. Não estão. Existem, caso alguém se preocupe em pesquisar ao invés de fazer comentários sem fundamentos, documentos em vídeo e áudio de entrevistas com os indígenas na qual eles discorrem sobre Belo Monte. Alguns são contra a construção, outros são a favor. Não podemos avaliar tudo de um ponto de vista apenas. Quando os grupos que vocês estão tentando defender não apóiam o que vocês crêem que eles deveriam apoiar, o que fazer?
A questão da fauna e da flora também preocupa? A área alagada pela usina da Belo Monte corresponde apenas à área alagada todos os anos por causa das enchentes no período de chuvas. A área desmatada será apenas o equivalente à área desmatada (ilegalmente) em dois meses durante o ano de 2010, ou apenas duas semanas do ano de 2004. E mesmo assim, esses fatores não geraram conflito com a população, mas o desmatamento legal, consciente e amenizado por meio de investimentos para a restituição da área desmatada, para beneficio da população, há de causar transtornos, certo?
Tão logo vemos que o objetivo com toda essa polêmica não é o de impedir a construção de Belo Monte, que invariavelmente seria construída, ainda que não tão cedo. É simplesmente o de causar confusão desnecessária. Quem se preocupa com a área desmatada na Amazônia para fins ilegais? E ainda assim, querem discutir a construção de Belo Monte. Quem se preocupa com a falta de desenvolvimento no Norte e no Nordeste? E ainda assim, querem discutir Belo Monte. Quem se preocupa com toda a corrupção existente no Norte e Nordeste (não vamos tornar isso um problema nacional ainda, fiquemos em uma área menor)? E ainda assim, querem discutir Belo Monte. É por causa de fanfarrões e despreocupados que gostam de polemizar que ainda estamos presos a polêmicas como essa. Seria muito bom se deixássemos essas coisas que são em prol da população acontecerem e focássemos em criticar o que realmente requer criticas: a corrupção no governo, a desigualdade social, a falta de educação, saúde, saneamento básico, oportunidades. Tudo isso é deixado de lado quando nos deparamos com questões como essa. Que vergonha.

105 cris { 03.13.12 at 15:23 }

eu sou super hiper mega contra esse projeto pois alem de prejudicar os proprios humanos vao prejudicar a nossa querida fauna.que tipo de governo e esse que a prova a destruiçao de sua propria especie?tenho vergonha dos politicos pois nos os colocamos la para fazer um paus mekhor e nao acabar com ele…………..

106 cris { 03.13.12 at 15:33 }

o nosso governo é uma veeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeerrrrrrrrrrrrrrrrrgonhaaaaaaaaaaaaaa.pois se voçes acha que isso e democracia seus corupidos sem alma sem coraçao ignorantes insensatos.isso e uma pouca vergonha estou mais do que desepcionada com vcs…………………..

107 Moacir Viana { 03.31.12 at 20:06 }

Todos nos sabemos, que obra deste porte tem sempre impacto ambienta, por menor que seja. Ela já foi bastante debatida e discutida, e isto já vem desde o tempo do Presidente Sr. José Sarney. Agora, querem paralisar a construção da Hidroelétrica e voltar a mesa para discuti-la novamente.
Será que o governo chines ao construir a Hidroelétrica de Três Gargantas teve mais cuidados do que o governo brasileiro esta tendo. Na China foram desalojados quase l milhão de pessoas, fez desaparecer cidades, cemitérios, pontos históricos, e muitas outras coisas.
Concluindo, parece-me que não !

108 Porque sera que existe usina hidreletricas ?sendo que nao adianta nada olha o mundo ai como ta todo mudado { 04.04.12 at 17:28 }

E isso ai o mundo ta muito mudado com tanta coisa pra muda e inventaram as usinas.

109 euripes { 04.06.12 at 13:14 }

sr dilma pelo amor de deus ajuda essas familias que estao passando por essas dificuldades essa usina tem que voltar a funcionar para ver essas familias voltar a ser felizes com continuaçao dos seus empregos para manter seus lares e essa empresa progredir ainda mais e nao dispensar nenhum funcionario e manter o mesmo quadro de funcionario ????? obrigado bom dia????

110 valdemar { 04.17.12 at 14:19 }

Em relação aos Impactos Ambientais relacionados ao empreedimento, os dados estabelecidos pelo EIA/RIMA não supriram nem mesmo as dúvidas do IBAMA quem dirá da sociedade. Triste é um empreendimento onde sua construção alagará e destruirá culturas milenares [...]
O Brasil precisa sim, é de uma política com visão em fontes renováveis de energia diversificada, como: eólica, biomassa, solar. Quando estivermos com o nosso Nordeste “cheio” de placas solares e nosso litoral abrangido por eólicas, ai sim, estaremos com nosso potencial energético exemplar.
Sem falar de vários outros potenciais: queima do lixo, reciclagem, cogeração.
É muito ridículo, reclamarmos de tudo que nosso políticos fazem de ruim e logo ao fim do ano votarmos nos mesmos sem ao menos terem um plano político de crescimento.
Em relação as usinas hidrelétricas, a matriz brasileira com 75% hídrica, não nega nosso potencial para tal, porém, como já mencionado, deveríamos suprir também nossos demais potenciais antes mesmo de destruir nossa fauna e flora.

111 Indignado { 07.20.12 at 1:17 }

Gostaria que todos aqui me respondessem uma pergunta muito simples.
Quantos daqui, que gastaram tempo criticando o projeto, a estratégia do governo, a geração de energia hidroelétrica e principalmente o estudo de impacto ambiental aprovado pelo IBAMA, conhecem, de fato o projeto (sem entrar no mérito que o projeto atual já é muito diferente e menos impactante do que o aprovado pelo estudo ambiental), a região, o rio Xingu, os índios, os interesses pessoais de um polemico padre local que nem brasileiro é, a população envolvida, as ações e contrapartidas cobradas, em alguns casos com aplicação de severas multas por atraso, pelo IBAMA, as pessoas que tiveram as suas propriedades compradas por quantias antes inimagináveis (que hoje estão rindo a toa).
Quantos tem conhecimento que a mesmo com a implantação da barragem o nível do rio não vai ultrapassar nunca o nível que atinge naturalmente em toda época de cheia anual. Que a porção que de fato vai ser inundada, está fora da calha do rio e é atualmente 90% ocupada por pastos instalados em áreas desmatadas irregularmente.

Quantos de vocês, tiveram a boa vontade de ler, mesmo que pequenos trechos, do EIA/RIMA, considerado o maior estudo de impacto ambiental já realizado no Brasil, senão no mundo, com a participação de mais de quinhentos consultores. Ou participar das audiências públicas realizadas em várias cidades.

Quantos aqui tiveram a oportunidade de ver e se emocionar ao ouvir os depoimentos de pessoasque foram atendidas pelo programa luz para todos no estado do Pará.

Pois é, eu já estive lá várias vezes, conheço a população, os índios, o projeto, o rio e, de fato, não li o EIA inteiro, principalmente porque sou humilde para afirmar que não sou capaz de compreender muitas das informações de altíssimo nível técnico lá contidas, em temas que não me são familiares.

Dito isto, desabafo com tranqüilidade, que nunca li/vi/ouvi tanta groselha exposta por pessoas que deveriam minimamente conversar com pessoas que tenham conhecimento técnico ou então, mais uma vez, humildemente se omitir de expor qualquer opinião sobre assuntos que não dominam, tem dúvidas, ou tem seu conhecimento baseada em outras opiniões partidas de pessoas com igual nível de ignorância que eventualmente e infelizmente por ossos do ofício publicam discrepâncias, informações tendenciosas-parciais-errôneas-inviezadas e principalmente polemicas, publicitárias e marketeiras sobre o assunto.

Por fim, para nos tornarmos um país, mais igualitário e socialmente melhor, nao existe outra opção a nao ser desenvolver. Desenvolver é ter dinheiro em caixa para desenvolver mais programas sócio-ambientais, melhorar a saúde, ensino, segurança, saneamento, infra-estrutura, serviços, etc.

Para isso precisa aquecer a economia, trazer e criar industrias, incentivar as nacionais.

Alguém se lembra doa época dos apagões, que felizmente nunca mai ocorreram? E aí? Quem tinha coragem, brasileiro ou não, teria coragem de investir e empreender em um Brasil que deixava a desejar em um quesito tão básico?

Ahh… Tem gente que diz com peito cheio: e a eólica e a solar, e a nuclear…. O recado é o mesmo vai conversar com as pessoas que moram perto de um campo eólico. Perguntem sobre o barulho insuportável, sobre a área desmatada, sobre os pássaros que morrem abatidos pelas hélices, sem falar na “excelente” estratégia de dar milhões para empresas gringas vir instalar os geradores aqui.

Absolutamente tudo que faz parte do nosso cotidiano causa algum impacto ambiental. Quando temos 200 milhões de pessoas coexistindo com o meio a regra que vale e simplesmente relação custo-beneficio.

Agora, se você não tem um bom conhecimento do que é Belo Monte, acha que não precisa ter, simplesmente discorda de tudo que eu falei porque: nao concordo e ponto! Desligue imediatamente o se celular, computador, geladeira, etc… etc… Porque, o cimento da sua residência veio de uma mina de calcário, todos os metais que estão a sua volta vieram de alguma forma de mineração, e a energia que alimenta tudo isso, pasmem não caiu do céu, provem de algum tipo de usina que certamente causou e/ou causa impacto no meio ambiente.

É isso aí, jogue 90% das suas coisas fora, apague eternamente a sua luz, e principalmente:

Não acenda uma vela porque esta vem de uma industria petroquímica e em nenhuma hipótese se mude para uma caverna pois existem grandes possibilidades de você causar um grande impacto na biota cavernícula ou mesmo sem a menor intenção causar a extinção de um pequeno inseto nunca descrito anteriormente.

Fui!!!!

112 Barbara { 08.26.12 at 16:29 }

Lembrando que fazer usinas de energia de biomassa, eólica e solar podem custar o dobro do que a Obra de Belo Monte irá custar, e não irá fornecer nem 1/3 de energia que a usina hidrelétrica irá fornecer…

113 Cristovão Wiilk { 10.11.12 at 16:31 }

Apesar de ser morador da cidade de Altamira, acredito que falar sobre Belo Monte seja complicado… São imensos fatores a serem considerados para se obter êxito com este empreendimento.
Como está previsto no EIA/RIMA um dos impactos que a área do empreendimento seja direto ou indiretamente afetada pelo empreendimento é o incremento populacional. Várias pessoas de todas as localidades do país se instalaram inicialmente aqui em Altamira, aumentou então a demanda por vagas nas escolas, por atendimento na saúde; mas o impacto atual na cidade mais forte é a inflação (imobiliária e alimentícia), imóveis que eram alugados por R$ 500,00 agora não são alugados por menos de R$ 2.000,00, a cesta básica é quase um assalto, a população hoje paga o dobro para se ter os mesmos produtos alimentícios que tinham em sua mesa. Isso não é nada comparado ao trânsito que está um terror, todos os dias morre três ou quatro pessoas atropeladas. A via pública simplesmente não comporta a quantidade de carros, caminhões e ônibus que circulam pela cidade; A geração de resíduos e o consumo de energia elétrica aumentaram significativamente, a quantidade de garis é inferior a necessária para se executar a limpeza das ruas e os apagões estão cada vez mais frequentes.
O Brasil necessita de energia elétrica para se desenvolver e atualmente a melhor maneira de se obter energia é através da hidroeletricidade, por tanto é necessária a construção de Belo monte, mas o fato é que os responsáveis por esta obra estão deixando a desejar no quesito referente à mitigação dos impactos sejam sociais ou ambientais, a impressão que as pessoas têm é que as condicionantes impostas pelo IBAMA não estão sendo levadas em consideração (apesar de que a maioria delas é para serem executadas no decorrer da obra). A presença da gestão pública se faz necessária para que as benfeitorias previstas com essa usina realmente aconteçam, nesse período de troca de gestores, o meu desejo é que o próximo se empenhe ao máximo ao cobrar junto a NORTE ENERGIA e ou ao PDRS/XINGU que os mesmos trabalhem para que a implantação de Belo Monte aconteça mas sem causar grandes à população Altamirense.

114 Patricia F. { 11.03.12 at 8:45 }

GALERAAA VAMOS LUTAR JUNTOS E FAZER NOSSA PARTE, ENTRE NO SITE http://www.movimentogotadaagua.com.br E ASSINE A PETIÇÃO CONTRA A CONSTRUÇÃO HIDRELETRICA DE BELO MONTE !!!! OBRIGADA.

115 josie { 11.09.12 at 16:06 }

sinceramente se o povo não pensasse tanto em dinheiro essa usina nem passaria pela cabeça dos poderosos….
e mais uma vez digo q ate o último rio secar e a última árvore for cortada os poderosos vão comer cédula e beber moedas pq é só oq eles vão ter no futuro,dinheiro no bolso pq água não vai ter mais e nem árvores……vamos pensar mais nos outros PELO AMOR DE DEUS….vamos provar que deus não fez esse mundo pra sofrimentos e sim pra praticarmos o AMOR,amor ao próximo,amor a natureza e tudo oq ele fez….vamos cuidar do nosso patimônio da nossa casa….NÃO A CONSTRUÇÃO BELO MONTE……

116 wanderson amancio { 11.13.12 at 16:58 }

wanderson, Castanhal-PA
dêem uma olhada no site – http://movimentogotadagua.com.br/
eles sao um grupo de pessoas e artistas que sao contra esse absurdo projeto dos ricos…pois isso não beneficiará os paraenses nem pessoas da classe media baixa…pois mesmo com a usina de tucurui pagamos uma absurda taxa de conta de energia… e com essa nova usina não diminuira a taxa da conta, e ainda por cima AUMENTARÁ AS TAXAS DE IMPOSTOS devido os altos gastos que será necessario para essa construção…
devemos mostrar que no Pará tem pessoas intelectuais que estao bem informado nesse assunto e sabe se unir a projetos como o GOTA D’AGUA para tentar parar essa desgraça que esta preste a acontecer…

117 wanderson amancio { 11.13.12 at 17:07 }

wanderson- Castanhal-Pa
vc ta por dentro desse assunto dos impactos socioambientais que a construção da usina de belo monte ira provocar???
sabe por que vc naum sabe?
devido a quase cesura da midia…
tipo, a midia pensa que os paraenses não sao intelectuais, e para eles é gasto de dinheiro pôr em emissoras noticias para pessoas que eles classificam como ignorantes…
devemos ser contra esse projeto…
vc que fica horas no face book, pelo menos divulgue o site do movimento gota d’agua, que sao grupo de pessoas contra esse projeto de magnitude aburda para destruição
site: http://movimentogotadagua.com.br/

118 Pedro Moreira { 11.10.13 at 15:00 }

Gostei muito do texto, concordo com ele. Os comentários também estão bons, mas o texto esta ceticismo.

119 bruna rosolen { 11.20.13 at 21:56 }

Legal as informações. Por favor, gostaria de saber o nome do autor do texto para citar em meu tcc. obrigada

Deixe seu comentário