Informação para um mundo melhor! Idéias para o desenvolvimento sustentável!

Problemas Ambientais: causas, efeitos e soluções.

Represa Billings - Reservatório Da Região Metropolitana Paulista

Vídeo que foi colocado no dia 19 de abril de 2009 e foi retirado no dia 2 de julho de 2009 e agora eu que não sou mais dodremon, agora dodremom, porque só assim o Youtube reaceitou, eu o recoloco.A descrição era essa: Fiz esse vídeo sobre a Represa Billings. O vídeo conta 1 pouco do surgimento da Represa Billings, e apresenta Imagens de Mapas, e Fotos. A Represa Billings é o maior reservatório de água da Região Metropolitana de São Paulo. Tem aproximadamente 100 Km² e sua bacia hidrográfica estende-se por mais de 500 km², nos municípios de Ribeirão Pires, Diadema, Rio Grande da Serra, São Bernardo do Campo, Santo André e São Paulo. A oeste, faz limite com a bacia hidrográfica da Guarapiranga e, ao sul, com a serra do Mar. Seus principais rios e córregos formadores são o rio Grande ou Jurubatuba, Ribeirão Pires, rio Pequeno, rio Pedra Branca, rio Taquacetuba, ribeirão Bororé, ribeirão Cocaia, ribeirão Guacuri, córrego Grota Funda e córrego Alvarenga. A represa surgiu em 1925 para gerar energia elétrica e movimentar as principais indústrias de São Paulo. Na época, a carência de água e de recursos energéticos eram preocupantes. Para solucionar o problema, os engenheiros F. Hyde e Asa Billings desenvolveram o Projeto Serra, desviando o fluxo do Rio Tietê para o canal do Rio Pinheiros, a fim de movimentar as águas em direção ao reservatório Billings e gerar energia na usina de Cubatão. No entanto, diversos fatores, como a explosão demográfica, causaram uma série de inundações e a poluição das águas da represa. Em 1988 a reversão das águas poluídas foi paralisada por três anos. Em 1992, as Secretarias de Recursos Hídricos e Meio Ambiente decidiram que o bombeamento das águas do Rio Pinheiros seria realizado somente em algumas situações, como controle das cheias. A água da represa melhorou, porém há um outro fator que ameaçava sua existência: a crescente ocupação irregular e desordenada ao seu redor. Aproximadamente 700 mil pessoas vivem no entorno da Represa Billings, gerando problemas ambientais devido ao lançamento de esgotos domésticos e o desmatamento de áreas verdes. Em função do elevado crescimento populacional e industrial da Grande São Paulo ter ocorrido sem planejamento, principalmente ao longo das décadas de 1950 a 1970, a Represa Billings possui então os seus grandes trechos poluídos infelizmente. Apenas os braços Taquecetuba e Riacho Grande são utilizados para abastecimento de água potável pela Sabesp. A pesca amadora é muito praticada, devido às espécies de peixes encontradas, como tilápias, lambaris, carpas húngaras e traíras, entre outras.

Mais vídeos de Problemas Ambientais.

VIDEO ALERTANDO OS PROBLEMAS SOCIAIS DA TERRA: POLUIÇÃO, DESMATAMENTO,LIXO AMBIENTAL, DESORDEM SOCIAL ,MISÉRIA, GANÂNCIA .
EM NOME DO LUCRO- CÉSAR LEITÃO
Este video fue realizado para concientizar a nuevas formas para tratar los problemas ambientales,siempre hay el deseo de que las cosas cambien para mejorar
Conciencia Ambiental
2ª Etapa em GuaratubaEquipe Universidade Positivo enfrenta PUCPR nos arredores do município de Guaratuba. Neste primeiro episódio da segunda etapa do Band Pé no Rio, as equipes pedalam em meio às plantações de banana e arroz da região. Depois tem tirolesa e remo no Rio Cubatão. No meio do trajeto, as equipes observam o local com olhos de críticos ambientais e denunciam o problema das matas ciliares.
Band Pé no Rio - Etapa 2-1
Aceti - Atualidade em Direito e Legislação Ambiental no programa Região 2000 - Parte 1
Aceti - Atualidade em Direito e Legislação Ambiental Parte 1
Colégio Engler - Gincana do meio ambiente 2009 - Problemas ambientais - 5º ano
Colégio Engler - Gincana do meio ambiente 2009 - Problemas ambientais - 5º ano
 
Soluções para conter o aquecimento global na área de energia e novas tecnologias é o tema do último vídeo da trilogia Pense de Novo do WWF-Brasil.  No mundo, o setor de energia é responsável por 37% de todas as emissões de gás carbônico, o que representa 23 bilhões de toneladas de CO2 lançadas por ano na atmosfera, ou seja, mais de 700 toneladas por segundo. Esse percentual coloca o setor de energia em primeiro lugar como emissor de gases de efeito estufa.Por enquanto, a matriz energética brasileira é considerada uma das mais limpas do planeta. Atualmente, 75% da energia elétrica gerada no país vêm de hidrelétricas. Entretanto, as termelétricas movidas a gás e petróleo têm ganhado espaço nos recentes leilões nacionais de energia. Se o Brasil optar por seguir o modelo energético das nações industrializadas, considerado mais poluente, o país contribuirá para agravar para os problemas relacionados às mudanças climáticas na Terra.
Pense de Novo - Energia e novas tecnologias
Vídeo feito por mim,para conscientizar á todos dos problemas da poluição

By Jujuhh
Aquecimento global- conscientize-se
www.ilsabrasil.com.brO que até hoje vinha sendo um problema ambiental, agora passa a ser um benefício para a produção de alimentos. O início das atividades da Ilsa Brasil gera uma mudança radical na imagem da indústria coureira do país, porque os resíduos de couro, até aqui uma ameaça ao meio-ambiente, serão transformados em adubo que ajudará na produção de alimentos orgânicos.     A Ilsa Spa iniciou as suas atividades em Verona, em 1956. Em 1979, se transferiu para Arzignano, no coração do distrito curtidor mais importante do mundo. Isto facilitou o desenvolvimento de uma parceria para o desenvolvimento da tecnologia para a transformação de resíduos de couro em fertilizantes orgânicos, muito valorizados, especialmente na Europa. A missão da empresa é produzir e desenvolver adubos nitrogenados com elevada eficiência nutritiva para a agricultura biológica e especializada.     Em 2008, a Ilsa exportou seus produtos para 31 países de cinco continentes. É líder na Itália na produção de adubo orgânico, graças a muito investimento em tecnologia. Do faturamento total da empresa, 8% é destinado para a área de P&D. Na Itália, a capacidade de processamento é de 60 mil toneladas/ano, gerando a produção de 34 mil toneladas/ano de adubo orgânico e 62 mil toneladas/ano de adubo organo-mineral.     Esta bagagem está vindo para o Brasil, com o início das atividades da Ilsa Brasil, cuja unidade produtiva, em Portão, está iniciando as suas operações. A Ilsa Brasil é uma empresa com capital ítalo-brasileiro, constituída em 2008. O foco do investimento da Ilsa no Brasil é oferecer uma alternativa de eliminar o passivo ambiental gerado pelos resíduos de couro curtido, produzindo adubos nitrogenados com elevada eficiência nutritiva para a agricultura biológica.     A unidade de Portão tem capacidade instalada para processar 35 mil toneladas/ano de resíduos, para produzir 20 mil toneladas/ano de adubo orgânico. Isto significa condição de receber todo o resíduo dos setores de couro e de calçados do Rio Grande do Sul, resolvendo o problema de passivo ambiental das empresas fornecedoras.     A Ilsa Brasil já está recebendo resíduos de indústrias de couro e calçados. Contatos podem ser mantidos pelo fone 51 2102 6565 ou pelo e-mail: ilsa@ilsabrasil.com.br
Ilsa Brasil - Reportagem Globo Rural
Apoio: http://www.novaconsciencia.com.brEstabelecimentos que vendem pilhas e baterias serão obrigados a recolhê-las, segundo a resolução do Conama. Brasileiros consomem 1,2 bilhões de pilhas e 400 milhões de baterias de celular por ano.Um problema causado pelos avanços da tecnologia: no mundo todo, 99% dos aparelhos eletrônicos, dos celulares, baterias e pilhas vão parar no lixo. Não é só desperdício, é um perigo.Palhaçada, não. O assunto é sério. Foi o jeito de chamar a atenção de quem passa pelo metrô de São Paulo. A latinha é para levar para casa e juntar pilhas e baterias velhas, que precisam ser separadas do lixo comum. Eu tenho sempre a preocupação, mas eu não sei o que fazer com elas, onde jogar, confessa a psicóloga Leni Granado.Nas agências de um banco, existem lixeiras pra recolher o material, que depois é levado para reciclagem. Isso é uma atitude muito simples, mas que causa um impacto na sociedade. Se todos colaborarem, a sociedade muda, ensina Linda Murasawa, superintendente do banco.Essa forma de coleta sempre foi voluntária. A empresa que faz, faz porque quer. Mas, agora, isso vai mudar. Supermercados, farmácias e outros estabelecimentos que vendem pilhas e baterias serão obrigados a recolhê-las também.A resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) dá um prazo de dois anos para que as lojas tenham os coletores. Os brasileiros consomem por ano 1,2 bilhões de pilhas e 400 milhões de baterias de celular.Elas contêm metais pesados como chumbo, mercúrio e cádmio. Quando pilhas e baterias são jogadas em lixões comuns, esses elementos químicos penetram no solo e contaminam os lençóis d´água, que ajudam a formar córregos e rios.No mundo, são produzidos 50 milhões de toneladas de resíduos eletrônicos por ano. Sabetai Calderoni, doutor em ciências da Universidade de São Paulo (USP), diz que o envolvimento da sociedade é importante, mas que a indústria tem que participar mais. É preciso que as indústrias cumpram seu papel e se responsabilizem integralmente pelos danos que eventualmente seus produtos causem ao meio ambiente e a sociedade, ele afirma.A Associação dos Fabricantes de Eletroeletrônicos declarou que tem participado ativamente de discussões e projetos sobre resíduos sólidos, pilhas e baterias.Fonte: Jornal Nacional
Lixo de pilhas e baterias ameaça o meio ambiente (Rede Globo)
Como viviam as sociedades pré-históricas no litoral do Espírito Santo? Onde se abrigavam? Do que se alimentavam? Mais do que saciar uma curiosidade natural do ser humano, os estudos necessários para responder a questões como essa podem ser fonte de emprego e renda para as comunidades que vivem nas imediações dos sítios arqueológicos.Essa é a proposta do Museu de Ciências do Espírito Santo para a região do Vale da Suruaca, entre Linhares, Jaguaré e São Mateus. a dona-de-casa Renata de Jesus Souza conta que é grande a expectativa da comunidade de Barra seca, antiga Caiambora, com relação ao projeto. Vamos trabalhar com artesanato de conchinha, cerâmica e taboa. É uma forma de gerar renda pras famílias e pra nós mulheres, que no momento não temos muito o que fazer aqui.Assim como Renata, todos os moradores de Barra Seca sofrem hoje problemas sociais e econômicos gerados por um grande crime ambiental ocorrido há 40 anos, durante a ditadura militar: a drenagem das lagoas e alagados que formavam o antigo pantanal capixaba.O pescador e carebeiro Adeluar Martins da Silva, o Seu Delú, conta que a vida no Caiambora era muito farta, com a comunidade trabalhando na pesca e também na lavoura, inclusive de arroz. Hoje em dia modificou tudo, porque faltou a água e eu acho que a água é que dá mais vida, né?!.Ele mora bem próximo da antiga Lagoa Suruaca. Era uns 3,5 km só de lagoa e largura era um 1 km de largura. Acabou tudo. Hoje em dia quem quiser sobreviver tem que arranjar um emprego, tá muito difícil.Em dez anos de pesquisas, João já localizou mais de 200 sítios arqueológicos e pode afirmar que eles eram lugares sagrados e cumpriam duas funções principais: marcação de território e sepultamento de entes queridos. As conclusões são fruto da análise do material que compõe os sítios. Basicamente muita terra preta, fragmentos de ossos de aves, mamíferos, peixes, conchas e sepultamento. Além de alguns fragmentos de cerâmicas, enumera o arqueólogo.Muitos sítios estão sendo destruídos, como o Suruaca 1, cujas conchas foram retiradas para fabricar cal usada na construção de casas. Agora, as ameaças são o desmoronamento provocado pela abertura do canal da Lagoa Suruaca e o pisoteio pelo gado da fazenda. Pelo meu conhecimento existem outros sítios com situação parecida, alguns no meio de estradas, sofrendo tráfego de veículos pesados. É preciso fazer um apanhado geral e propor medidas para resolver a questão. A municipalidade pode fazer isso, juntamente com os pesquisadores.Seu Delú, no alto de seus 68 anos de Suruaca, apóia o jovem arqueólogo: Isso aí se houvesse um jeito de melhorar era bom. Que nem o João já tá pensando nisso, se ele continuasse, eu acho que ia dar certo, é emprego pra algumas pessoas daqui mesmo, ia ser bem bom mesmo. E ainda ia ajudar a cuidar do lugar.Mais informações:Museu de Ciências do Espírito Santo - João Luiz Teixeira: 9906-2807 mucesdir@hotmail.com
Como viviam as sociedades pré-históricas no litoral do ES?
 
Proyecto de la Fundación Ecovida, construcción de una red de parques  urbanos infantiles recreacionales y educativos, donde se conjugan arte, técnica y creatividad con la ayuda de las comunidades, artistas, ingenieros  y arquitectos.El equipamiento, construido con materiales de desecho, y en este caso principalmente con los neumáticos  usados,  servirá  también para sensibilizar a la comunidad en torno al problema de la contaminación y la  responsabilidad ambiental individual y colectiva.
Red de Parques El Guaripete
Fabio Ock conversa Lisa Gunn, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), sobre a relação do cidadão com o consumismo. Encontra Felipe Bannitz, da FGV, para descobrir o que é uma feira de trocas.No estúdio, Virgínia Nowicki recebe Mônica Yoshizato Bierwagen, do Blog Consumo e Sustentabilidade, e o repórter Fabio Ock, para aprofundar o tema. Veja este e outros episódios em: http://idealtv.uol.com.br/formigasega...
SOBRE FORMIGAS E GAFANHOTOS - Consumismo - Parte 2
Nós, Lista D, vimos por este meio expor as nossas mais sinceras intenções para com a escola, ao nos candidatarmos com a nossa lista nas eleições que decorrerão no próximo dia 30 de Outubro de 2009.É de nosso único interesse o bem da comunidade escolar, ouvir as necessidades dos alunos e fazê-los ouvir é a nossa principal prioridade. Pretendemos dinamizar ao máximo a escola com inúmeras actividades, desde eventos musicais (concertos e concursos) a eventos desportivos, eventos inter-escolas e eventos de moda, também pretendemos expandir as actividades a actividades ambientais, programando fins-de-semana na serra, de modo a proporcionar aos alunos novas experiências. Se possível também gostaríamos de atribuir prémios aos melhores alunos de cada período e ainda organizar palestras de sensibilização quanto aos problemas sociais agora existentes. Desejamos ainda abrir uma barraca na noite do mercado, solicitando à escola o seu parque de estacionamento para obter mais verbas.Será de nosso principal objectivo, além da satisfação dos alunos, angariar o máximo de fundos possível de modo a abatermos tudo o que pudermos ao valor da Viagem de Finalistas, para que desse modo o maior número de alunos possível possa participar da mesma. Sendo que temos em vista algumas alternativas à constante Canárias. Alternativas que posteriormente apresentaremos à entidade responsável a fim de discuti-las.Ao cumprirmos com os nossos objectivos conseguiremos fazer com que o Baile e a Viagem de Finalistas sejam memoráveis, o que fomentará a união dos alunos e contribuirá para que a nossa escola seja considerada a principal Escola Secundária da Região.Sem mais nada acrescentar aceite os nossos mais sinceros cumprimentos.Lista D
Filme Lista D Final
O mundo enfrenta o pesadelo ambiental e a raça humana começa a ser dar conta de que o problema da terra é o próprio homem.
LÉO LADEIA: O meio ambiente pede socorro
LICEU - EXPOCRIATIVIDADE 2008 - Pilha um problema ambiental muito sério.
PILHAS
 
CLAN OZONO PROTECCIÓN AMBIENTAL VOLUNTARIA APROVECHA LA VICITA DEL VICEMISNITRO PARA FORMULAR TODOS LOS PROBLEMAS
PROTESTA PACIFICA
Video feito pelo Projeto Recicla G.E. com a finalidade de conscientizar sobreos problemas ambientais cousados por nós e nosso lixo e incentivar a reciclagem.
Video Projeto GE
Matéria exibida no jornal MG Record, da TV Record Minas - 25/07/09
VT Problemas Aterro
Quem visita Fernando de Noronha não se dá conta das limitações enfrentadas por quem vive na ilha. As regras que garantem o equilíbrio do meio ambiente dificultam e muito o dia a dia da população. Um dos problemas é a falta de moradia. Hoje, mais de 300 pessoas estão na fila de espera para ter direito de construir uma casa para morar com a família.
Especial Noronha - A ilha
Já não é mais possível ver o leito do córrego que passava por baixo da pista. Ambientalistas e moradores da região cobram a licença ambiental.A obra começou há apenas um mês, mas já preocupa. O Córrego do Guará nasce dentro da reserva ecológica vizinha à Estrada Parque e deságua no Lago Paranoá. Nas fotos tiradas antes do início da obra, era possível ver parte córrego. Hoje, nem isso é possível. Foi tudo aterrado.A Linha Verde da EPTG é necessária para facilitar o fluxo do trânsito. Só que a gente precisa conciliar o desenvolvimento com a preservação ambiental, alerta o representante da Sociedade Amigos do Parque do Guará, Guto Gomes.Na Estrada Parque Taguatinga existe uma canalização que garante o curso das águas por baixo da pista. Mesmo assim, os moradores temem os efeitos da pavimentação da terceira via. Quando ela for asfaltada, o solo que hoje é naturalmente encharcado pode secar e, assim, o volume de água que vai para o Lago Paranoá vai diminuir.Ela está invadindo uma nascente e comprometendo toda uma bacia, que é a Bacia do Paranoá. Nós queremos saber da licença e da compensação ambiental. Por lei, devemos saber disso. Nós moramos no Guará e ainda temos um meio ambiente preservado. E por conta dessa obra, estamos nos sentindo ameaçados, reclama o vice-presidente comunitário do Guará, Walterman Gama.Por falar nisso...Em nota, o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) afirmou que pegou o processo de licenciamento da área já em andamento. Antes, estava sobre a responsabilidade do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama). Mesmo assim, O Ibram afirmou que conhece o problema e que já pediu a recuperação do córrego e do parque ao GDF.Lanusse Martins / Lázaro Aluísio
REDE GLOBO - DFTV - Obra da Linha Verde na EPTG está soterrando o Córrego ...
 
Super legaaaaal o;
Aula de PAC
Un informe que debe conducir a mejorar las condiciones de seguridad del medio ambiemte.No solo se vería afectada la población cercana ,se trata de un problema ambiental que repercutirá de forma gradual en la genética de los descendientes de quienes se hubiesen contaminado.Se deben buscar y adecuar las infraestructuras necesarias para un transporte más seguro de productos tóxicos o de riezgo de toda índole, usando unidades de transporte cerrados . Sean estos camiones o trenes deben ser herméticos y con un distintivo que indique la peligrosidad.
CALLAO - Transporte
Se por um lado o crescimento agroindustrial é um vetor de desenvolvimento, por outro, contribui para o aumento da geração de resíduos sólidos, que muitas vezes podem criar um impacto negativo para o meio ambiente. Um dos exemplos é a água de coco verde, que vem despontando como um produto bastante promissor no mercado brasileiro. O problema é que o aumento na produção e no consumo da água-de-coco gera cerca de 4 milhões de toneladas de casca/ano, transformando-se em um sério problema ambiental, principalmente para as grandes cidades.
Dia de campo na tv - Aproveitamento da casca de coco verde
O CRESCIMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL TEM GERADO UM GRAVE PROBLEMA AMBIENTAL AQUI NA REGIÃO DO VALE DO PARAÍBA. SEGUNDO IMAGENS DE SATÉLITE, MONITORADAS PELO INPE, A REGIÃO REGISTROU UM AUMENTO EXPRESSIVO DAS EXTRAÇÕES IRREGULARES DE AREIA. EM QUATRO ANOS QUASE 20 NOVAS CAVAS FORAM ABERTA NA REGIÃO.
EXTRAÇÃO AREIA - 15/09/2009
Presencie ud. la amenaza que sufren los pobres avechuchos.
Documental Avechuchos
 

Categorias